A decisão ocorreu nesta quinta-feira (17), pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), que não será mais necessário o uso de extintor em carros, caminhonetes, e não considerará infração para quem for pego em blitz. A entidade diz que os carros atuais possuem maior segurança contra incêndios, e pelos aumentos de pedidos os fabricantes de extintores não conseguirão cumprir com a demanda.

O Contran em reunião com os representantes dos fabricantes de extintores de incêndio, deu-se conta de que estavam sempre pedindo um prazo maior para sua produção, então foi decidido o fim da obrigatoriedade dos extintores para carros e caminhonetes.

Publicidade
Publicidade

O Denatran realizou pesquisas e estudos que existem outras formas de ações contra incêndios que o uso dos extintores como corte automático de combustível, flamabilidade de matérias e revestimentos e outros.

Se não fosse desfeita essa Lei, o novo extintor de incêndio ABC já entraria em vigor a partir do dia 1º de outubro, sendo que seria a quarta vez que adiariam.

Mas a Lei continua valendo para os caminhões, ônibus e caminhões-trator, veículos que transportam produtos inflamáveis o uso do extintor continua obrigatório.

Nem mesmo todos os motoristas estavam aptos para usar adequadamente o extintor de incêndio, que por sua vez poderiam causar um perigo ainda maior colocando sua vida em risco e de sua família, e demais passageiros. Comentário de Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da proteste, afirma: “É um dinheiro jogado fora, já que a medida não obriga o dono do carro a passar por treinamento que o habilite a usar o extintor em casos de emergência”.

Publicidade

O Brasil era um dos poucos países que exigia que o carro possuísse extintor em caso de emergência, mas tudo resolve se dirigimos com prudência no trânsito e muitos perdem a vida por causa banal, dirigindo bêbado, falando ao celular no trânsito e revisando o carro antes de sair ou até outros motivos que deveriam ser evitados, mas quando vão perceber o pior já aconteceu. Respeite a sua vida e a do próximo.  #Legislação #Opinião #Justiça