Uma imigrante portuguesa foi assaltada e esfaqueada na barriga durante assalto realizado na cidade do Rio de Janeiro. A vítima não resistiu aos ferimentos. Segundo informações divulgadas nesta quinta-feira, dia 3 de setembro, pelo site G1, a portuguesa vivia há muitos anos no Brasil, e era esposa do sobrinho do vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, sendo conhecida na região.

De acordo com relatos das testemunhas que presenciaram o #Crime, Ana Lúcia saía da academia que frequentava quando foi abordada pelo assaltante. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, a mulher teria resistido ao roubo e, por conta disso, o homem usado uma faca para perfurar seu tórax.

Publicidade
Publicidade

Ana Lúcia era mãe de três filhos. O crime ocorreu no último dia 2, no bairro do Recreio, zona oeste da capital carioca. Ainda de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio, a mulher ainda chegou ao Hospital de Lourenço Jorge com vida, mas o ferimento era tão grave que ela não resistiu a operação realizada rapidamente, após ter sido assistida pelos bombeiros no local do crime.

O site G1 divulgou também, que a mulher estava apenas saindo da academia habitual, tendo sido surpreendida por um homem, que continua foragido da polícia. A família da vítima está em choque com a notícia. Parentes afirmam que a portuguesa sempre fez o bem pela comunidade local.

A região onde ocorreu o crime, Recreio, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, está sofrendo uma onda enorme de assaltos nesses últimos dias e meses, algo que está preocupando a polícia brasileira.

Publicidade

A #Violência está aumentando nas ruas do Rio de Janeiro e, segundo os policiais locais, é necessário ter o maior cuidado nesses dias de maior descontrole.

A data e a hora do enterro de Ana Lúcia ainda não foram definidas, provavelmente, porque as causas da morte ainda estão sendo analisadas pela perícia brasileira. Os país da vítima já viajaram para o Brasil e estão agora acompanhando de perto o caso, juntamente com as autoridades brasileiras. #Casos de polícia