A partir dia próximo dia 15 de setembro, os brasileiros que estão inscritos no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos, trabalharam ao menos trinta dias de carteira assinada no ano de 2014 e recebem, no máximo, dois salários mínimos, começarão a receber o PIS, benefício social disponibilizado pelo #Governo Federal. O valor - correspondente à um salário mínimo federal - estará disponível a partir do dia 15 de setembro para os trabalhadores nascidos no mês de setembro que sejam correntistas da Caixa Econômica Federal.

Quem não possui conta no banco terá acesso ao montante a partir do dia 17 de setembro. O valor poderá ser sacado até o dia 30 de junho de 2016. Para os trabalhadores nascidos no mês de outubro, o benefício será pago a partir dos dias 14 e 15 do referido mês. 

O saque do PIS pode ser realizado por diferentes canais: nas casas lotéricas e caixas eletrônicos da Caixa, mediante apresentação do cartão cidadão; nas agências da Caixa, mediante a apresentação do número do PIS e de documento de identificação oficial com foto e, também, em crédito em conta corrente ou poupança, para trabalhadores correntistas da Caixa.

Publicidade
Publicidade

Para confirmar se você tem direito ao benefício, uma dica: a consulta pode ser realizada pelo site da Caixa Econômica Federal. Basta ter em mãos o número do PIS/PASEP/NIT e a senha do cartão cidadão. É necessário criar um cadastro para acesso.

Discussões e alterações nos pagamentos

Muito se discutiu sobre a possibilidade de alterar o calendário de pagamentos do PIS, por conta da atual crise financeira vivida pelo país. Cogitou-se, inclusive, antecipar os pagamentos dos benefícios cujos pagamentos ficaram para o ano de 2016, entretanto, apesar da tentativa, a regra permanece a mesma: nascidos entre janeiro e junho poderão sacar o valor somente no primeiro trimestre de 2016.

Vale salientar que os benefícios que não forem sacados até o dia 30 de junho do ano que vem ficam retidos pelo Governo Federal e são direcionados ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Publicidade

Fique atento e não deixe de garantir o seu direito! #Crise econômica