Um imigrante português foi preso na Bahia por ter enganado centenas de pessoas em um esquema de fraude, desviando cerca de 21 milhões de euros. Segundo informa a imprensa portuguesa, João Martins operava no setor imobiliário aqui no Brasil, tendo como negócio a venda de casas de luxo na zona da Bahia. O português estava prestes a sair do Brasil quando as autoridades locais conseguiram prendê-lo, graças a algumas denúncias de pessoas que tinham sido enganadas.

Foram cerca de 470 imóveis que João Martins terá vendido pelo site de sua  empresa “Resort Empreendimentos Imobiliários” sempre na zona da região bahiana. Todas essas casas ou não existiam ou então estavam ainda em construção e teriam sido vendidas como imóveis em condomínios de luxo com segurança e piscina em valores à volta dos 45 mil euros, um preço considerado baixo para o que estava sendo vendido na altura.

Publicidade
Publicidade

Segundo o jornal português “Correio da Manhã”, João Martins já tinha feito um esquema de burla muito parecido com esse da região da Bahia, em Minas Gerais, onde também por meio de seu site e de contatos no setor imobiliário, enganou centenas de brasileiros, somando, como afirmam as autoridades brasileiras, mais de 21 milhões de euros ganhos por fraude. Só depois de cinco queixas, a polícia começou investigando o caso, e prendeu na última semana o economista de 64 anos, que estava prestes a fugir do Brasil.

Na verdade, segundo os dados das autoridades locais, somente 70 das 470 casas vendidas por João Martins existiam mesmo, sendo que nenhuma delas estava completamente terminada. Esses esquemas de fraude, principalmente quando a empresa funciona só por um site da Internet, na área imobiliária são algo recorrentes, motivo pelo qual todos os brasileiros, como aconteceu nesse caso, têm que ter especial atenção a esses negócios que a princípio parecem ser baratos, mas infelizmente no final saem muito caro.

Publicidade

O imigrante português, com licenciatura em Economia, será ouvido no Tribunal da Bahia para começar assim seu julgamento. #Crime #Blasting News Brasil #Investigação Criminal