Um policial militar foi preso em flagrante por ter abandonado o posto de serviço para socorrer seu filho doente que tem necessidades especiais. As informações foram dadas pelo Jornal Extra online.

Entenda como aconteceu

De acordo com assessoria da Polícia Militar de Belém, o sargento da PM identificado apenas como Amadeu do 24º BPM de Benguí, foi preso em flagrante por ter 'abandonado' o posto em serviço sem avisar previamente aos seus superiores. Ele foi preso ao retornar ao posto de trabalho, depois de ter socorrido seu filho que tem necessidades especiais que estava doente e precisando de auxilio.

Repercussão e revolta

O caso aconteceu na noite da última quinta-feira (8), contudo, uma pessoa próxima da família do policial militar, publicou no Facebook relatando o acontecido e expressando toda a sua revolta.

Publicidade
Publicidade

Em poucas horas, a publicação alcançou mais de 15 mil compartilhamentos, gerando comoção e revolta entre aqueles que visualizaram a publicação. Na publicação ela dizia, "Triste com tanto desamor. Antes dele ser policial militar ele é pai, marido, filho e esposo. Dá a vida pela farda e não é reconhecido nem valorizado".

Código Penal Militar Brasileiro

De acordo com o Código Penal Militar Brasileiro, o abandono do posto de serviço sem aviso prévio aos superiores é crime. E a pena vai de três meses a um ano de detenção. Embora tenha recebido e registrado a ocorrência, o Ministério Público Militar do Pará declarou que não vai denunciar o sargento da polícia militar pelo ocorrido.

O promotor de Justiça Militar, Armando Brasil, disse que o sargento não será denunciado, pois no seu entender, mesmo tendo abandonado o posto de serviço, o que configura crime, ele não agiu de má fé, pois alegou que não teve como avisar aos seus superiores, devido a urgência em socorrer seu filho, que é portador de necessidades especiais e estava passando mal e precisando de atendimento médico.

Publicidade

De acordo com a PM de Belém, o sargento foi liberado no dia seguinte, na sexta-feira (9). O Ministério Público Militar do Pará considera o caso como encerrado. #Investigação Criminal #Casos de polícia