A cidade de Viçosa, na região da zona da mata mineira, passa desde o ano passado por grave #Crise hídrica. A cidade, como muitas de Minas Gerais, tem sofrido bastante nos últimos anos com a falta de chuvas, convivendo já há alguns meses com o rodízio no abastecimento de água. Atualmente, o fornecimento de água é interrompido durante dois dias por semana em cada região da cidade.

O prefeito, Ângelo Chequer, que já declarou situação de emergência devido a falta de chuvas, tem buscado alternativas para enfrentar a crise. A última alternativa encontrada foi proibir eventos de grande porte na cidade.

A presença da Universidade Federal de Viçosa (UFV), e da quantidade expressiva de jovens universitários na cidade, torna a vida noturna da cidade muito movimentada.

Publicidade
Publicidade

A realização de grandes festas e shows, organizados muitas vezes pelos próprios estudantes da UFV, é algo comum no município.

Devido ao elevado consumo de água, durante e após as festas, o prefeito Ângelo Chequer apresentou um decreto municipal proibindo a realização de festas e eventos que tenham mais de 600 convidados ou que gerem consumo elevado de água na cidade.

Com o decreto, a realização do baile de formatura dos estudantes da UFV, em janeiro, está comprometida. Além dos formandos, também participam normalmente da tradicional comemoração de formatura, os familiares e amigos dos estudantes. O problema neste caso é que, só com formandos (800) o número limite de convidados do decreto já seria superado.

Inclusive, um representante da companhia de água e esgoto que atua na cidade, formalizou um pedido junto a reitora da universidade para que as comemorações de formatura em janeiro, que ainda incluem um churrasco para os formandos, seja adiada.

Publicidade

Vale ressaltar que dentro do campus da universidade também está ocorrendo um rodízio no abastecimento de água. O fornecimento tem sido interrompido em vários edifícios da universidade durante a semana. Os horários de funcionamento em outros tem sido reduzido e em locais com elevada movimentação de pessoas, como o restaurante universitário e a biblioteca central, já tem sido utilizado caminhões-pipas para o abastecimento.

Apesar da situação de algumas regiões de Minas Gerais terem piorado com o acidente da mineradora Samarco, outras regiões do estado, não afetadas por essa tragédia, também vivem situação delicada quanto a disponibilidade de água para consumo. E estes problemas parecem cada vez mais distantes de uma solução, devido as perspectivas negativas para a temporada de chuvas na região. #Natureza #Mudança do Clima