O nome do ex-presidente da República Federativa do Brasil, Fernando Collor é mais uma vez notícia. Mas dessa vez o político não é mencionado pela mídia por uma acusação de #Corrupção ou novo pleito político, mas sim por um despacho de macumba que a Polícia Federal encontrou em sua casa.

A mandinga tinha como foco atingir o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot e seu homem de confiança no Conselho Nacional do Ministério Público – CNMP - Fábio George da Silva.

A Polícia encontrou um despacho de macumba sobre uma mesa com a foto deJanot e Fábio circulada a caneta, bem como vários nomes de encostos, todos escritos em um papel timbrado com o logo do Senado Federal.

Publicidade
Publicidade

Embora não seja crime fazer uso de métodos desse tipo, acredita-se que o político estava tentando “resolver” seus problemas com a justiça pedindo “ajuda” de entidades da macumba. Atualmente o ex-presidente do Brasil é um dos muitos investigados pela Operação Lava Jato, a operação de renome internacional e que em muitas de suas fases descobriu rombos milionários nos cofres públicos.

Histórico alternativo

Críticos comentaram o novo episódio envolvendo Collor citando sua situação política em 1992. Guilherme Amado de “O Globo” comentou que quando Collor sofreu o Impeachment no início da década de 90, também tentou se valer da “ajuda” dos terreiros de macumba”. Ainda assim, Collor entrou para a história do país como o primeiro presidente a sofrer o impeachment. Caso o Brasil de hoje permaneça em crise, há chances dele deixar de ser o único ex-presidente a figurar nesse posto, até o momento, exclusivo.

Publicidade

Lava a Jato

Atualmente Collor é apontado como recebedor de uma propina no valor aproximado de R$26 milhões de uma empresa subsidiária à Petrobrás. A Polícia Federal continua as investigações e até que se prove o contrário, o ex-presidente da República é considerado inocente desse crime de corrupção, conforme legislação a brasileira determina.

O que você acha dessa “nova descoberta” da Policia Federal? Deixe sua opinião nos comentários. #Lava Jato #Casos de polícia