No início da noite deste domingo, primeiro de novembro, dois internautas decidiram pedir perdão por comentários feitos contra a atriz Taís Araújo. Dentre os adjetivos racistas publicados nos comentários de uma página oficial da mulher de Lázaro Ramos, estavam "macaca", "cabelo de esfregão" e "crioula". Não é possível ter certeza do nome dos dois supostos criminosos, já que as fotos de dois rapazes com uma folha pedindo perdão ganharam as redes sociais. Eles aparecem tapando o rosto, não revelando assim sua identidade. Além disso, eles pedem "perdão". Um deles chega usar a hashtag #somostodosmacacos. 

Desabafo contra racismo e repercussão

Taís Araújo fez um desabafo sobre o assunto na manhã deste domingo.

Publicidade
Publicidade

Ela disse em um texto publicado em suas redes sociais, que não gostariam de falar sobre o assunto, mas que não poderia ficar calada diante de um #Crime. Racismo é crime no Brasil e pode causar até prisão em regime fechado, dependendo dos agravantes. A repercussão do caso foi tão grande, que durante todo o dia, internautas mostraram solidariedade à uma das mulheres mais belas do país. A hashtag #somostodostaísaraújo ganhou o Twitter. No meio do ano, algo parecido aconteceu com a jornalista Maria Júlia Coutinho, que também foi vítima de comentários racistas em uma página do Facebook. Depois do apoio de milhares de brasileiros, ela prometeu não "esmorecer".

Investigação em delegacia de crimes cibernéticos

No recado postado por Taís Araújo, ela revelou que o caso seria investigado pela polícia federal.

Publicidade

No entanto, segundo uma nota enviada à imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro, o caso começará a ser investigado pelo DGPE, O Departamento Geral de Polícia Especializada. A atriz Taís Araújo e todos os identificados vão ser chamados para depor e fazer uma possível acareação. O diretor do departamento, Ronaldo Oliveira, disse que um inquérito já es´ta instaurado para averiguar se houve ou não o crime de racismo. A apuração do caso ficará por conta da DRCI, Delegacia de Repressão aos crimes de Informática.