A Organização das Nações Unidas (ONU) trouxe a público nesta sexta-feira, 27, uma iniciativa do #Governo brasileiro: a doação de 3,5 mil toneladas de arroz e feijão para fortalecer o programa de segurança alimentar em Cuba. A doação ocorreu no dia 20 passado e deve atender a cinco províncias do país caribenho.

De acordo com a ONU, 1,5 mil toneladas dos grãos deve ser estocado em Cotorro, região leste da ilha, para ser utilizado em caso de catástrofes naturais. Cuba é um dos países da região do Caribe que mais sofre com tornados e furacões e este estoque ajudará a atender mais de 275 mil pessoas que geralmente ficam em situação de vulnerabilidade.

Publicidade
Publicidade

O restante, 2 mil toneladas, devem ser armazenados para atender a crianças, mulheres grávidas e idosos acima de 65 anos em situação de extrema pobreza, informou Laura Melo, representante do PMA em Cuba.

Para o conselheiro de cooperação da embaixada brasileira em Cuba, Thiago Carvalho, “é uma honra oferecer essa doação”. Já Damary Vilá, representante do Ministério do Comércio Exterior e Investimento de Cuba, o gesto do governo brasileiro fortalece ainda mais a amizade entre os dois países.

Sobre o Programa Mundial de Alimentos (PMA)

O PMA é uma iniciativa da ONU criada em 1963. De acordo com a organização, tornou-se o maior programa de combate a fome no mundo. Anualmente, as doações atendem mais de 90 mihões de pessoas em 80 países, sendo 58 milhões de crianças.

No Brasil, a iniciativa recebe desde 2011 o nome de Centro de Excelência contra Fome por ser uma parceria entre o PMA e o Governo Federal.

Publicidade

Além de combater a pobreza extrema no país, 18 nações da América Latina, do Caribe, da África e da Ásia são ajudados pelo escritório em Brasília.

Por aqui, a iniciativa também prevê o compartilhamento de informações e boas práticas para a nutrição saudável, e, diz a ONU, já pode ser vista como uma ferramenta de excelência na luta contra a fome e proteção social. "Buscamos servir como plataforma global de conhecimentos sobre alimentação escolar, nutrição e segurança alimentar e nutricional", diz em nota.  #Agricultura #Alimentação Saudável