Desde a última terça-feira (10), um paciente de 46 anos encontra-se isolado com suspeita de estar contaminado pelo vírus "#Ebola". O homem chegou ao Brasil, na sexta-feira (6), e já no domingo (8) começou a apresentar os primeiros sintomas da #Doença.

O brasileiro chegou de Guiné e encontra-se em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. As autoridades já estão providenciando sua transferência para o Rio de Janeiro e um avião das Forças Aéreas Brasileiras já foi disponibilizado para a viagem, de acordo com Marcelo Costa e Castro, ministro do Ministério da Saúde.

Nesta quarta-feira (11), o paciente será submetido a um primeiro exame para que possa ser confirmada a doença e em no máximo 24 horas o resultado já estará pronto.

Publicidade
Publicidade

Enquanto isto, o homem será mantido isolado e recebendo cuidados especiais.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, o quadro do paciente continua estável, não apresentando nenhuma gravidade e ele foi enquadrado como "caso não confirmado". Como ele veio de um país onde existe a transmissão de ebola e apresentou febre, então é preciso tomar todos os cuidados necessários.

Na terça-feira (10), o paciente foi atendido na UPA - Unidade de Pronto Atendimento - da Pampulha, em Belo Horizonte, e tão logo o médico detectou que os sintomas poderiam ser da doença já teve início o protocolo nacional para estes casos.

Imediatamente a secretaria municipal informou à Secretaria Estadual de Saúde que por sua vez comunicou ao Ministério da Saúde. E o Governo brasileiro já enviou um comunicado à Organização Panamericana de Saúde.

Publicidade

A UPA na Pampulha também encontra-se isolada e não recebe mais nenhum paciente que estão sendo encaminhados para outros locais de atendimento. Todos os funcionários e os pacientes que encontravam-se no local permanecerão de quarentena.

Os órgãos municipais, estaduais e federais estão empenhados não só para descobrir se realmente se trata de um caso de contaminação pelo ebola, mas principalmente para que outras pessoas não venham a ser contaminadas.

O nome do paciente será preservado, não podendo ser divulgado pela imprensa.