No momento em que uma Comissão Especial da Câmara Federal aprova nova proposta que deverá extinguir o Estatuto do Desarmamento, um relatório do Mapa da #Violência mostra a importância da Lei atual, que entrou em vigor em 2003. De acordo com os dados colhidos pelo Mapa, mais de 160 mil vidas foram salvas, a grande maioria – mais de 100 mil – jovens com idade entre 15 e 29 anos.

Seguindo o crescimento no número de mortes de 1993 a 2003, o relatório previu uma quantidade de mortes no Brasil por armas de fogo superior a 70 mil em 2012, ano em que foram disponibilizados dados pelo Ministério da Saúde pela última vez. Porém, o índice foi bastante inferior, tendo chegado a 40 mil mortes, 4 mil a mais do que em 2003, ano em que o Estatuto entrou em vigor.

Publicidade
Publicidade

Para um dos responsáveis pelo relatório, Júlio Jacobo, outras medidas são necessárias além do Estatuto para redução da violência. Como exemplo ele cita reformas na Polícia e no Sistema Carcerário, além do próprio Código Penal. Ainda segundo o pesquisador, a maior parte dos crimes com armas de fogo são cometidos por futilidade, o que torna a violência cotidiana natural. Para ele, a violência em conjunto com as armas forma uma combinação “explosiva”.