Muita gente não entendeu o que motivou a demissão do jornalista Sidney Rezende, contratado do Grupo Globo desde 1997, quando entrou na primeira turma da Globo News, canal a cabo de notícias. A demissão de Sidney foi oficializada nesta sexta-feira (13) e um dia antes, na quinta (12), ele usou uma rede social para fazer críticas severas ao jornalismo que é feito no país, inevitavelmente, mesmo sem citar, ele acabou reverberando no grupo de comunicação que trabalhava. 

O texto escrito por Sidney foi intitulado "Chega de notícias ruins" e faz uma defesa de que notícias boas, ou seja, positivas, também ganhem o noticiário. Rezende tocou o dedo na ferida e disse que muitos profissionais da mídia escrevem "boçalidades" e propõem soluções, que boa parte das vezes não são as melhores para resolver o problema.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, jornalistas erram muito e é preciso reconhecer isso. 

O ex-contratado da Globo News, que também possui um site com seu nome e livros escritos, continuou, e publicou que muitos de seus colegas especialistas em política e economia demostram uma má vontade, tendo o que ele chamou de obsessão contra o #Governo federal, fazendo da entidade um verdadeiro demônio. Para Sidney, essa forma de visão faz com que isso sufoque o público. 

Oficialmente, o Grupo Globo, através de seu diretor de jornalismo e esporte, Ali Kamel, informou que apesar de Rezende ser demitido, isso não significa que um dia ele não possa voltar a prestar serviços para a empresa. Kamel também elogiou a postura do profissional, que acumulou diversas funções na companhia midiática, como âncora da rádio CBN.

No texto publicado um dia antes de sua demissão, o jornalista disse que muitos de seus colegas estão preocupados demais com o possível #Impeachment de Dilma Rousseff, e, ao invés de noticiar, acabam perseguindo objetivos que causam neuroses e podem até enlouquecer.

Publicidade

Rezende desabafou ao falar que o governo também tem acertos e que esses precisam também ser mostrados. Pelo menos da mesma forma que os erros já são.