Joice Hasselmann não faz mais parte da equipe da Revista Veja, maior publicação impressa do país. A profissional da mídia era responsável pelo canal de vídeos da Veja e ficou conhecida por sua postura incisiva contra o governo federal e a presidente da república Dilma Rousseff. A informação sobre o desligamento da repórter foi confirmado na noite desta sexta-feira, 06, pelo site Brasil247. A Veja ainda não confirmou as informações do site. Joice costumava postar críticas diariamente no Facebook, mas desde o dia 30 não realiza nenhum tipo de postagem. Ela não anunciou férias, folga ou algum tipo de doença.

A demissão ocorre meses depois da jornalista receber uma séria acusação, a de plagiar 65 reportagens de outros veículos de comunicação.

Publicidade
Publicidade

A lista é longa e contém sites como o G1, 'Bem Paraná' e o jornal Gazeta do Povo. A denúncia contra a profissional da mídia partiu do próprio Sindicato dos Jornalistas do Paraná. A entidade disse que analisou os textos e que comprovou a cópia de conteúdo em 65 deles. 

Aos poucos, Joice que fazia publicações cinco vezes por semana na Veja, foi aparecendo cada vez menos no veículo de comunicação. Com isso, aos poucos suas funções foram sendo direcionadas para Augusto Nunes. Hasselmann também passou a ter um papel mais de redação e não tão opinativo. Isso seria para dar um descanso na imagem da profissional da mídia. 

Joice está impedida para sempre de entrar no quadro do Sindicatos dos Jornalistas do Paraná depois que os textos assinados por ela foram comprovadamente analisados como plágios.

Publicidade

Com isso, ela também deixa de poder usar alguns benefícios dos profissionais locais, como auxílio jurídico do sindicato. O processo contra a jornalista tem mais de 100 páginas e a maioria dos textos foi escrita no período de um mês. 

De acordo com o Sindicato dos Jornalistas do Paraná, além de infringir ao código de ética da entidade, a profissional ainda cometeu #Crime de não respeito ao direito autoral e pode ter que pagar na justiça por isso. A jornalista nega as acusações.  #Desemprego