O Governo Federal lança ferramenta que buscará agressões e manifestações de ativistas nas redes sociais. Todo aquele que ofender com comentários abusivos os negros, as mulheres, os índios e a comunidade LGBT, estará sujeito a entrar no radar do Governo.

Atendendo a uma solicitação feita pela antiga Secretaria de Direitos Humanos (SDH), da Presidência da República, foi criado um serviço que tem o cargo de vasculhar e passar um pente fino automaticamente no Twitter, Facebook e Instagram, buscando por algum tipo de manifestação racista vindo de grupos ativistas.

Isso é uma forma de apoiar as vítimas de discriminação racial e agressões aos direitos humanos.

Publicidade
Publicidade

O país não suporta mais tanto preconceito, tanto racismo contra pessoas inocentes, que nada fizeram para serem "apedrejadas".

O serviço foi criado pelo 'Laboratório de Imagem' (Labic), da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), mas ainda está sendo testado. O monitor dos Direitos Humanos mostrará as mensagens todas reunidas juntamente com os links originais, preservando a identidade do autor.

Com a intenção de 'conhecer o que está circulando publicamente', criou-se a referida ferramenta, segundo informações do SDH, juntando-se a outras duas pastas criadas em outubro, na reforma ministerial da presidente Dilma Roussef.

"Não serão todas as mensagens que indicarão #Crime de racismo ou ódio, vamos separar com muito critério o que caracteriza ameaça, 'empoderamento negro', intolerância à religiosos e expressão violenta aos negros", enfatizou Fábio Malini, coordenador do Labic.

Publicidade

Algorítimos farão a coleta, filtragem e amostra das mensagens. 15 programas iguais a esse estarão por trás monitorando e todos têm funções diferentes. Um desses programas recebeu o nome da jogadora de futebol Marta. Ele coletará o histórico do perfil no Twitter.

'Somos Todos Taís Araujo'

A hestag foi criada para dar apoio a atriz Taís Araujo, que no final de outubro sofreu comentários racistas no Facebook, sendo esse tema o mais comentado no Twitter. Com intuito de não ter os resultados dominados por casos de grande repercussão, o Monitor filtrará as mensagens também por palavras-chave.

Segundo Mailini, o Monitor está previsto para ser entregue no final de novembro, de preferência até o dia 20, quando se comemora "O Dia da Consciência Negra". #Justiça #Internet