Diversas cidades do norte do Brasil sentiram na noite desta terça-feira, 24, um #Terremoto que aconteceu em um país vizinho, o Peru. Segundo informações do Serviço Geológico dos Estados Unidos, o tremor foi considerado bem grande, de 7,5 graus na escala Ritcher . No Acre, por exemplo, pelo menos seis municípios sentiram os abalos sísmicos. Pessoas que estavam em prédios foram as mais afetadas. Dentre as cidades afetadas, estão Santa Rosa, Xapuri, Sena Madureira, Tarauacá, Cruzeiro do Sul e a capital Rio Branco. 

O tremor principal aconteceu às 20h45 no horário de Brasília e o epicentro foi justamente na fronteira entre o Brasil e o Peru.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao G1, a jornalista Sandra Brito disse que a última vez que o Acre sentiu um abalo parecido foi no ano de 2010. Na época, todos ficaram muito assustados. Ela chamou a situação de verdadeiro terror, pois as pessoas tentavam segurar os móveis e eletrodomésticos de suas casas.

Já a Universidade de Brasília, através de seu observatório sismológico, catalogou o tremor como de menos potência, de 7,1 graus na Escala Ritcher. O epicentro também foi o mesmo registrado pelo observatório americano, a cidade de Santa Rosa do Purus. 

Capital amazonense teve clima de pavor

A capital da Amazônia, Manaus, também registrou abalos com o terremoto. Segundo informações do tenente do corpo de bombeiros, Janderson Lopes, muitas chamadas foram feitas na região. Um dos locais com mais telefonemas foi a Avenida Umberto Calderaro.

Publicidade

Lá, existe a Faculdade Martha Falcão e dezenas de estudantes estavam em suas salas de aula. Com os tremores, eles decidiram ir para o pático da instituição de ensino. O tremor foi capaz de tirar os quadros da parece e também mexeu com as cadeiras de lugar. 

Um dos professores da instituição, George Sand França, disse a um site da região que o terremoto, apesar de ter ocorrido longe da faculdade, foi a 600 quilômetros de profundidade. Por isso, outras cidades distantes acabam sendo atingidas pelos reflexos do abalo principal.