A primeira vacina desenvolvida exclusivamente para combater os efeitos doentios proporcionados pelo mosquito da #Dengue foi aprovada nessa segunda, (28), no Brasil. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a vacina será administrada em pessoas que estão contaminados com algum dos quatro tipos de doenças vindas do Aedes Aegypti que tenham entre nove e quarenta e cinco anos de idade e que estejam em alguma das regiões endêmicas do país.

A Agência ainda expõe que no Brasil, já foram confirmados mais de 1,4 milhão de casos. Dentre essas pessoas, 70% têm mais de nove anos de idade. “Essa informação nos deixa atentos para uma coisa, que é a questão de que a #Doença se infiltrou em uma parcela da população que esta altamente ativa nas ruas do país.

Publicidade
Publicidade

Essas pessoas, com essa idade, são bastante sociáveis e isso contribui muito com a disseminação da doença para outros locais da sociedade e das comunidades que elas fazem parte em cada um dos países infectado por esse mosquito”, publicou a Sanofi Pasteur, companhia francesa responsável pela fabricação da Dengvaxia, sediada na cidade de Lyon.

De acordo com os estudos feitos pela Companhia, 66% das pessoas contaminadas que participaram da pesquisa com a vacina obtiveram sucesso e recuperação nos quatro tipos da doença, proporcionadas pelo mosquito da dengue, (por volta de 40 mil pessoas). Além disso, a vacina também conseguiu prevenir os casos da patologia em oito de cada dez pessoas que passaram pelos testes durante alguns anos na França.

De acordo com dados da OMS, (Organização Mundial da Saúde), a dengue já infectou mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo, durante os últimos 50 anos.

Publicidade

Já no Brasil, a doença consegue custar mais de R$ 3 bilhões de reais aos cofres públicos brasileiros, (dinheiro investido em pessoas sendo atendidas nos hospitais e em campanhas de conscientização por todos os municípios do país). O Brasil também participou de uma das fases da pesquisa da Companhia francesa e conseguiu contribuir para que os teste tivessem acabado com sucesso em 2014. #Governo