O Estado Islâmico faz um trabalho de recrutamento em todo o mundo e até aqui no Brasil o grupo terrorista já está conseguindo recrutar jovens. A CPI dos Crimes Cibernéticos está investigando vários casos e no início deste mês ouviu o diretor de contraterrorismo da ABIN - Agência Brasileira de Inteligência, José Carlos Martins Cunha, que fez revelações estarrecedoras.

José Carlos garantiu que a Abin vem atuando firmemente no combate ao #Terrorismo cibernético e já descobriu que existe sim o recrutamento de brasileiros, tanto jovens como também adultos.

O país reconhece oficialmente 3 grupos terroristas, são eles: Talibã, Al Qaeda e também o Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

Porém, existem vários outros grupos propagando o ódio e a violência entre eles o Hamas e o Boko Haram que inclusive são monitorados nas redes sociais e em outros canais da #Internet.

Apesar de todo o esforço da Abin, José Carlos reconhece que o recrutamento de brasileiros continua existindo e que eliminar esta prática 100% é impossível.

A Agência não identificou nenhuma célula terrorista, porém já foram descobertos vários jovens brasileiros que estão dispostos a servirem o Estado Islâmico.

Acreditar que o Brasil não sofre nenhum tipo de ameaça é um terrível erro, garante o diretor, que explicou tudo sobre o trabalho que tem sido feito neste sentido, principalmente com a aproximação das Olimpíadas.

Apesar de José Carlos tentar passar informações tranquilizadoras, Wilson Trezza que é diretor geral da Abin informou recentemente que em São Paulo existe um grupo que tem apoiado o Estado Islâmico.

Publicidade

Para o deputado Léo de Brito, a agência vem combatendo o terrorismo pela internet, mas é preciso intensificar este combate já que os grupos terroristas estão cada vez mais empenhados em conseguirem adeptos em novas regiões do planeta.

O deputado defende a integração da Abin com as polícias para que o Brasil consiga realizar um combate mais eficaz, principalmente durante as Olimpíadas de 2016.

Atualmente o Brasil é um país que interessa muito aos grupos terroristas porque a internet é popular, as fronteiras estão desprotegidas e há muitos jovens vivendo na miséria e estes são os alvos favoritos dos terroristas. #Ataque