A Andrade Gutierrez prometeu falar e realizou um acordo com a força tarefa da Lava Jato e Procuradoria Geral da República. Serão ouvidos 11 executivos da empresa que farão delação premiada explicando como a empresa participou dos esquemas de #Corrupção com o Governo Federal. A empresa admitiu o pagamento de propina na Eletronuclear (Angra 3), nas obras dos estádios da Copa do Mundo de 2014, Eletrobrás (Belo Monte) e Ferrovia Norte-Sul. A multa que a empresa irá pagar já está definida em R$ 1 bilhão.

Atualmente, o Presidente Otávio Azevedo e outros dois executivos da empresa estão presos: Elton Negrão e Flávio Barra. A Andrade Gutierrez pode ter percebido que a maior parte dos esquemas de corrupção que participou já foram ou serão descobertos e por isso realizou o acordo para detalhar e apresentar provas daquilo que a força tarefa da #Lava Jato ainda não conseguiu comprovação.

Publicidade
Publicidade

Segundo o Jornal Estado de São Paulo, existem dois senadores que teriam recebido propina.

Fraudes na Copa do Mundo 2014

Em relação a Copa de 2014, todos os contratos que a empresa participou foram superfaturados, sendo os seguintes: 70% no Mané Garrincha em Brasília, 70% no Maracanã e 26% da Arena Amazônia. Nos dois primeiros estádios a Andrade estava atuando em consórcio com a Via Engenharia e Odebrecht, respectivamente. Em 2007 quando o Brasil foi anunciado como vencedor para sediar a Copa de 2014, o então presidente Lula disse que a estimativa de gastos nos estádios não seria maior que U$ 1,1 bilhão, aproximadamente R$ 2,6 bilhões.  Em janeiro de 2015 o Ministério do Esporte divulgou o balanço final da construção dos 12 estádios da Copa de 2014: R$ 8,333 bilhões sendo que R$ 3.815 bilhões foram investidos pelo BNDES.

Publicidade

A Andrade Gutierrez pode estar seguindo um caminho de recuperação e acerto de contas com a sociedade, assim como fez a Camargo Corrêa que também fechou um acordo de leniência e deve devolver em torno de R$ 800 milhões. Por outro lado, deixa em situação delicada outras construtoras como Odebrecht, OAS e Queiroz Galvão que tem negado participação, mas faziam parte de alguns consórcios que a Andrade e Camargo admitem o pagamento de propinas. #Copa do Brasil