As mulheres brasileiras estão tendo menos filhos, houve uma queda de 18,6% nos nascimentos entre 2004 e 2014, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados na última sexta-feira (4).

A amostragem revela que na década anterior a média de filhos era de 2,14 e passou para 1,74 (2014).O nível de fecundidade, de acordo com estatísticas, fará com que a população do Brasil diminua e até 2060.

O país está abaixo do "nível de reposição" e esses dados se estendem para todas as regiões brasileiras. No Nordeste o número caiu para 2,16 filhos. Já na região Sul, o número é de 1,60 filhos.

A idade das mulheres que mais engravidam está na faixa etária de 20 a 24 anos, num total de 26,5%.

Publicidade
Publicidade

A pesquisa aponta as estatísticas de jovens entre 15 e 19 anos tendo menos filhos, o número anterior era  de 78,8 para queda de  60,5 por 1000 mulheres pesquisadas.

O maior índice de nascimentos de bebês entre jovens é no nordeste, 35,2%.

QUAIS OS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA AS MULHERES TEREM MENOS FILHOS?

A opção por uma #Família menor tem vários fatores, um deles é o custo de vida. De uns tempos para cá, a situação econômica do país ficou complicada, a saída foi diminuir os filhos. É uma boa equação, pois os gastos familiares são muitos. Investir na educação é a melhor opção, principalmente para os mais pobres.

Outro fator é o acesso que hoje se tem aos anticoncepcionais, principalmente as jovens de menor poder aquisitivo. Através das campanhas que o governo tem feito, na mídia e redes sociais, a conscientização aumentou.

Publicidade

Antigamente era um tabu falar sobre sexo e gravidez, mas com o avanço da tecnologia a informação chega a todas.

O governo distribui gratuitamente as camisinhas para as pessoas e isso faz com que se previnam e evitem doenças e gravidez. As escolas também contribuem com a informação e os adolescentes ficam a par do que ocorre se a mulher engravidar.

Os casais de namorados se cuidam e evitam a fecundação e assim tem diminuído os casos de gravidez precoce, o que na realidade é um transtorno para a família e a adolescente.