A capital mineira já está se preparando para vir a ser o primeiro e principal polo brasileiro responsável pela produção de um dos mais polêmicos medicamentos da atualidade, a "pílula contra o câncer", ou fosfoetanolamina.

Os deputados estaduais Adelmo Leão e Reginaldo Lopes, juntamente com o deputado estadual Cristiano Silveira, estão se mobilizando para conseguirem esse grande feito. Já foram realizados contados com o governo de Minas, os pesquisadores responsáveis pela pílula e também com grandes laboratórios.

Na última terça-feira (22) foi realizada uma reunião com Fausto Pereira, secretário de Estado da Saúde e também com Renato Fraga, presidente da Fundação Ezequiel Dias.

Publicidade
Publicidade

Cientistas também estiveram presentes no intuito de agilizar o tema.

A tentativa de levar a produção da fosfoetanolamina é antiga e neste ano obteve-se uma importante ajuda do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação no valor de R$ 10 milhões para que as pesquisas pudessem continuar sendo feitas.

O doutor em Ciências com Concentração em Química Analítica, Otaviano Ribeiro que também é um dos pesquisadores que descobriram a Fosfoetanolamina na USP, informou que Minas Gerais, através da Funed, poderá ficar responsável pela produção final do medicamento contando com o processamento do material sintético que seria entregue pela equipe de Otaviano.

Logo no início de 2016 uma equipe irá realizar uma visita aos laboratórios da Funed para conhecerem a infra-estrutura do local e já definirem os próximos passos.

Publicidade

Se tudo der certo, a equipe da USP em conjunto com a equipe da Funed já dará início à produção da Fosfoetanolamina a partir de março.

Minas Gerais irá fornecer a fosfoetanolamina para todos os estados do Brasil para que o câncer possa começar a ser tratado de forma mais eficaz.

Até hoje a fosfoetanolamina não apresentou nenhum efeito colateral e tem tudo para vir a ser o principal medicamento utilizado no combate à #Doença que mata milhares de pessoas todos os anos.

Em 2016 finalmente a fosfoetanolamina poderá começar a ser produzida em larga escala e milhares de pacientes terem maior facilidade para conseguirem a pílula.

#sistema de saúde