Era madrugada desta segunda-feira, 07, quando uma página oficial da atriz Sheron Menezes sofreu um ataque de comentários racistas. Minutos depois da ofensiva, assim como fez Maria Júlia Coutinho, Taís Araújo e Cris Vianna, Sheron anunciou que não deixaria barato o caso, indicando que tomaria todas as providências cabíveis. Menezes já sofria ataques cibernéticos nos últimos dias no Facebook, mas só agora fez o anúncio de que brigaria para acabar com o #Crime

Ao falar sobre o preconceito em um desabafo emocionante, Sheron Menezes disse que de nada adiantava os criminosos escreverem xingamentos e absurdos em sua página. "Vão ter que engolir eu e outras pessoas negras em nosso país", disse ela.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, ela chamou as pessoas que fizeram as publicações de invejosas e demostrou ter orgulho de seu cabelo, pele e cor, chamando essas referências da negritude de "coisas maravilhosas". Mas não parou só na beleza dos negros, Sheron ressaltou que mesmo atingidos diariamente pelo preconceito, os afrodescendentes são pessoas boas, inteligentes e educadas.

A atriz lembrou os ataques recentes sofridos por outras referências midiáticas e que tem a pele negra. A primeira da lista foi a jornalista Maria Júlia Coutinho, que chegou a fazer um pronunciamento em rede nacional, através do 'Jornal Nacional', dizendo que não iria "esmorecer" por conta do preconceito. Taís Araújo também foi xingada através do Facebook, assim como Cris Vianna. As três já tinham enviado os ataques racistas para a investigação da polícia.

Publicidade

No caso de Taís, a polícia civil do Rio de Janeiro, por meio da Delegacia de Repressão a crimes pela internet. Ao todo, 70 perfis de pessoas que fizeram insultos racistas já foram identificados. Esses internautas devem ser chamados para prestarem depoimentos. Lembrando mais uma vez, que racismo no Brasil é crime. Já as ações sofridas pela jornalista Maria Júlia Coutinho estão nas mãos do Ministério Público de São Paulo. Cris Vianna não disse quem investiga o preconceito sofrido por ela.  #Justiça