De acordo com o Relatório Trimestral do Banco Central, publicado esta semana, além dos problemas já enfrentados pela economia brasileira, a inflação terá um componente a mais no ano que vem. Trata-se do fenômeno El Niño, que, segundo o BC, terá influência direta no índice inflacionário em 2016.

A explicação para essa influência está na mudança ocorrida no volume de chuvas, uma das principais consequências do El Niño. Diante disso, é possível estimar alguns cenários, como a elevação dos preços dos alimentos in natura (frutas, vegetais, hortaliças, etc.) que dependem de um determinado padrão de chuvas, assim como a possível diminuição no valor da produção de energia elétrica pelo maior acumulo de água nos reservatórios.

Publicidade
Publicidade

Caso o quadro se confirme, a tendência é que haja um equilíbrio entre os valores de elevação e redução da #Inflação nos dois itens, o que, em linhas gerais, corresponderia a um resultado neutro. Nesse caso, o  fiel da balança seria o valor da energia, cujo impacto, a depender da redução praticada, contribuiria para uma diminuição da inflação. #Natureza #Mudança do Clima