O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva esteve na Polícia Federal para dar um depoimento sobre a amizade que ele mantinha com José Carlos Bumlai, preso recentemente na "Operação Lava Jato".

Lula confirmou que realmente chegou a recepcionar Bumlai, porém não quis revelar quantas vezes deu abrigo ao pecuarista na Granja do Torno que é uma das residências utilizadas oficialmente pelo presidente da república.

Os investigadores chegaram a fazer vários questionamentos ao ex-presidente Lula, por estarem convencidos de que ele sabia muito mais do que estava dizendo.

Bumlai foi preso em Curitiba e revelou que chegou a fazer um empréstimo em seu nome no valor de R$12 milhões para o caixa 2 do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade
Publicidade

Este empréstimo foi realizado junto ao banco Schahin e nunca foi quitado.

O ex-presidente Lula contou que ficou conhecendo Bumlai durante a campanha para as eleições presidenciais no ano de 2002. Nesta ocasião, Lula gravou um vídeo para ser mostrado na campanha a respeito da agricultura no país e o cenário foi uma fazenda de Bumlai.

Entretanto, Lula alega que nem conversou com o empresário sobre o empréstimo realizado para o PT e que nunca conversaram sobre dinheiro ou qualquer outro assunto ligado a valores.

Lula também contou que Bumlai nunca fez exigências de algum cargo em troca do empréstimo realizado em seu nome para o PT. Lula ainda negou que conversou com o preso na "Lava Jato" sobre as indicações de Nestor Cerveró e muito menos de Jorge Zelada para ocuparem cargos na Petrobrás.

A PF achou curioso que Lula contou que seus filhos e também suas noras têm amizade com Bumlai, mas não chegou a citar os nomes de todas as noras, alegando que havia se esquecido.

Publicidade

 

LULA DEFENDE JOÃO VACCARI NETO

O ex-presidente Lula, durante seu depoimento à Polícia Federal, chegou a defender João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, que está preso desde o último mês de abril, ao ser condenado na operação Lava Jato.

Lula disse à PF que não acredita que Vaccari conseguiu vantagens por causa dos contratos na Petrobrás. #Casos de polícia #Crise no Brasil