A forte chuva que caiu sobre a região oeste do Rio Grande do Sul durante este Natal já deixou mais de 6,5 mil pessoas desabrigadas e afetou 38 municípios da região. Segundo informações da Defesa Civil, a chuva com volume superior a 500 milímetros de água em menos de uma semana obrigará que os desabrigados aguardem em abrigos e em residências temporárias até a virada do ano.

Com a situação, 12 cidades gaúchas decretaram situação de emergência. Liberato Salzano, Trindade do Sul, Nonoai, Santo Ângelo, São Miguel das Missões, Guarani das Missões, Roque Gonzales, Cândido Godói, Uruguaiana, Quaraí, Passa Sete e Não Me Toque foram algumas das cidades mais afetadas pela forte enchente que atingiu o Estado.

Publicidade
Publicidade

Importante ligação da zona fronteiriça com o Uruguai, a Ponte Internacional da Concórdia foi interditada por 14 horas após o rio chegar a marca de 15 metros acima do nível comum.

Segundo boletim divulgado pela Defesa Civil nesta sexta-feira, dia 25, cerca de 66 famílias permanecem desabrigadas, enquanto 1.479 famílias aguardam na casa de amigos e familiares. Algumas famílias já puderam retornar para suas casas, e estima-se que a trégua da chuva nos próximos dias possa fazer com que mais pessoas retornem às suas residências.

Apesar de aguardar melhora na situação, a Defesa Civil considera a situação imprevisível, pois algumas famílias estão retornando para suas residências de forma precipitada, enquanto mais pessoas podem ficar desabrigadas se a chuva voltar a cair. As fortes chuvas têm caído sobre a região desde o dia 18, alcançando situações de emergência com a proximidade do Natal.

Publicidade

Além de desalojar diversas famílias, a enchente também deixou habitantes da região sem energia elétrica. Segundo a AES Sul, 200 clientes da Região Central do Estado ficaram sem energia, enquanto 1.200 habitantes da Região dos Vales tiveram sua energia elétrica temporariamente desligada para evitar choques e curtos-circuitos acidentais com o contato da rede elétrica com a água da enchente.

De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Metereologia), a chuva que atingiu a região em dezembro foi mais do que o dobro do que era estimado para o mês. Outro problema enfrentado pelos habitantes da região em decorrência da chuva foi a interdição de um trecho da BR-472, uma das mais importantes da região da cidade de Uruguaiana.

Segundo a Defesa Civil, o apoio na região continuará nos próximos dias com auxílio às prefeituras e órgãos locais e fornecimento de cestas básicas, cobertores e demais mantimentos para as pessoas desabrigadas.

 

Países da fronteira registram mortes

As chuvas que caíram sobre a região também deixaram em situação de calamidade cidades dos países que fazem fronteira com o Brasil, como a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.

Publicidade

Segundo noticiado por veículos locais, cerca de 150 mil pessoas ficaram desalojadas nestes países, com quatro mortos em decorrência da queda de árvores no Paraguai. Na Argentina foram dois mortos pelas enchentes.

De acordo com os institutos de pesquisa, a chuva na região foi potencializada pelo fenômeno El Niño, que altera a temperatura da região e provoca chuvas mais fortes no Sul e Sudeste, enquanto o clima se torna mais seco nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. #Natureza #Mudança do Clima #Chuvas Torrenciais