Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, recebeu autorização judicial para sair da prisão e ir para casa, passar o Natal com sua família, porém ao embarcar no voo de Curitiba para o Rio de Janeiro, foi hostilizado por vários passageiros que o chamaram até mesmo de "ladrão".

Desde janeiro deste ano que Cerveró está preso em Curitiba, acusado de participação no esquema de #Corrupção que se instalou na Petrobras.

Cristiano Marcello, atleta que estava no mesmo voo que Nestor Cerveró, alguns passageiros chamaram o político de ladrão. Outros também ficaram comentando sobre o político acusado de corrupto.

Porém os passageiros só ficaram sabendo que Cerveró estava no voo por volta das 15 horas desta quarta-feira (23) quando o avião aterrissou no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

O ex-diretor da Petrobras foi bem discreto e providenciou para que ele fosse o primeiro a embarcar no voo e ficou na última fila, assim à medida que os passageiros iam entrando nem notavam sua presença. Apesar de ter dois policiais acompanhando o prisioneiro, eles também procuraram manter a discrição e não colocaram algemas em Cerveró.

As pessoas presentes neste voo acharam um absurdo e uma vergonha que o Brasil, diante de tanta corrupção, conceda um benefício deste a um político que roubou tanto da estatal.

Para evitar ser agredido, os policiais retiraram o político pela parte de trás do avião enquanto que os demais passageiros saiam pela porta da frente. Um carro da Polícia Federal já o estava esperando pelo político e dali mesmo, da pista do Aeroporto Santos Dumont, Cerveró já seguiu para sua residência onde ficará durante o Natal em companhia de sua família, mas depois deverá retornar à prisão.

Publicidade

Nestor Cerveró estava usando uma camisa pólo vermelha, calça jeans e óculos escuro para dificultar que as pessoas o reconhecessem. Os dois policiais federais estavam de terno e por isto conseguiram passar todo o voo desapercebidos.

Você acha certo, Nestor Cerveró receber o benefício de ir passar o natal em casa, com a família? Deixe seu comentário! #Lava Jato #Crise no Brasil