As "Fabíolas da unha" da vida não estão conseguindo ter uma vida fácil quando o assunto é ir à manicure. O ano de 2015 ficou marcado por muitas separações, como dos atores Alexandre Borges e Julia Lemmertz e também dos líderes da Calypso, Joelma e Chimbinha. O fim do relacionamento deles terminou em barraco. Parece que todos eles se inspiraram previamente no caso da bancária que ganhou as redes sociais.

Depois do adultério flagrado em Minas Gerais, novas imagens de um flagrante em um motel estão repercutindo. Dessa vez, as imagens foram gravadas na cidade de Presidente Dutra, no Maranhão. Assim como aconteceu no caso Fabíola da unha.

Publicidade
Publicidade

A diferença é que aumentou o número de vídeos envolvidos, de um para dois. 

Veja abaixo um compacto com os dois vídeos que estão dando o que falar na web:

O marido revoltado olha para o veículo onde sua mulher está. Irado, ele bate no suposto amante. Dando socos no rapaz que tomou o coração de sua esposa, ele parece descontrolado, empurrando em seguida a mulher. Apavorada, a 'Fabíola da unha' da vez tenta pedir socorro e clama por clemência, pedindo que o marido não bata mais no homem que com ela adentraria no motel. 

Já no segundo vídeo, o marido traído faz uma espécie de entrevista com o amante de sua mulher. Na conversa, ele quer saber, dentre outras coisas, quem pagaria o valor da entrada da noitada. Sem graça, o jovem diz que o casal reveza o pagamento. "As vezes é ela, outra sou eu mesmo", admite.

Publicidade

O homem traído também quer saber como a dupla se conheceu. O garoto diz então que se encontra com a mulher há três meses e que eles estão estudando juntos. Não acreditando que a esposa pagaria até o motel para ficar com o "Ricardão", o esposo revoltado questiona um cordão de prata utilizado pelo amante, querendo saber como ele teve dinheiro para tanto. 

A entrevista ocorre dentro do carro e o amante, bem mais novo que o marido traído, parece bem assustado com o destino que o episódio poderia tomar. Não sabemos o que aconteceu com o trio envolvido na questão.  #Justiça #Crise