Mais um relacionamento conturbado, teve um final trágico. De acordo com Jornal Extra, na manhã desta sexta-feira(18), um policial militar de 25 anos, matou sua namorada de 20 anos e depois cometeu suicídio.

Saibam mais sobre o crime

De acordo com as primeiras apurações da Polícia Civil, o policial militar Ederson Dala Barba Bastos, 25 anos, matou a tiros sua namorada, Evellyn Nunes Farias, 20 anos quando voltavam de uma festa. O casal estava junto há apenas quatro meses. 

O crime aconteceu por volta das 6h30, em uma estrada rural entre as cidades de Alvorada e Viamão no Rio Grande do Sul. A delegada responsável pelo caso, Larissa Farjado, titular da Delegacia de Homicídios de Viamão, disse que ao que parece, trata-se de mais um crime passional.

Publicidade
Publicidade

Larissa Farjado, relatou que tudo indica que houve discussão, pois gritos foram ouvidos. A Evellyn foi muito agredida antes de ser assassinada, pois a vítima apresentava várias escoriações e seu braço direito foi quebrado. A delegada disse que possivelmente o casal estava embriagado.

Brigada Militar foi acionada

Moradores da região próximo ao local do crime, acionaram a Brigada Militar. Testemunhas que não foram identificadas, afirmaram que ouviram muitos gritos e pedidos de socorro de Evellyn. 

Ao chegarem no local, os policiais militares se depararam com Ederson arrastando a namorada já desacordada e a colocou dentro do carro. Ainda segundo os policiais que atenderam a ocorrência, eles tentaram sem sucesso a rendição do PM, mas não obtiveram sucesso. Ederson saiu com o carro do local e a alguns metros a frente, parou o veículo e atirou contra a própria cabeça.

Publicidade

Os policiais recolheram no local do crime, duas armas de fogo, munição e os pertences do casal que estavam dentro do carro. A pericia foi acionada e depois dos trabalhos concluídos os corpos foram liberados e encaminhados para o IML.

A Polícia Militar afirmou que novas testemunhas serão ouvidas. Os investigadores responsáveis pelo caso vão aguardar os laudos da pericia e do IML, para fechar o caso. #Violência #Investigação Criminal #Casos de polícia