Os portais de conteúdo adulto estão batendo recordes de acessos. Segundo um grande empresário do mundo do sexo, vídeos expondo as relações íntimas de um casal, são os mais procurados através do sistema de pesquisa do Google. No título, sempre expressões como "Veja como Fabíola sabe fazer bem a unha". Fabíola, sua unha, a vida, o marido e o suposto amante viraram o maior viral do ano, que apareceu justamente no último mês de 2015. 

De acordo com o homem, que prefere não se identificar, pois tem negócios em outros ramos, só em seu site, um vídeo vinculado à Fabíola tem mais de 100 mil visualizações. O episódio começou quando o marido da bancária, Carlos Eduardo, decidiu perseguir-la para ter certeza que ela cumpriria com o que prometeu, ir fazer a unha.

Publicidade
Publicidade

Na verdade, a morena pegou uma carona com um amigo do casal, Leo. Os dois foram parados na porta de um motel. Furioso, o esposo traído quebrou o carro de Léo, um empresário de Belo Horizonte. Ele também agrediu Fabíola, que sem reação, só tentava esconder o rosto. Não adiantou muito. Internautas maldosos vasculharam suas fotos em redes sociais, fizeram memes e não dão descanso para a profissional das finanças.

Depois do boom real, o flagrante na porta do motel, surgiram imagens que seriam da bancária na cama com outro homem. O dono do site que conversou com a Blasting News deu certeza que não é ela nas imagens. "Não tem nem o mesmo biotipo. Os seios da mulher que aparecem nesses vídeos são bem maiores e o rosto também tem diferenças significativas".

Poucas informações do caso parecem de fato ser reais.

Publicidade

Até agora, apenas uma advogada falou oficialmente pela bancária. A profissional da #Justiça disse que ela está muito chocada e reclusa em casa. Já uma organização não governamental diz que Fabíola deve entrar na justiça contra o marido e contra o homem que gravou as imagens do flagrante. Segundo a ONG, os valores a serem pedidos pela mulher exposta podem passar de R$ 150 mil, sem excluir outras penas, como uma possível reclusão.  #Crime