Os funcionários da 'TV Alterosa', afiliada do SBT em Minas Gerais, fizeram um protesto nesta terça-feira, 29. A ação de manifestação, no entanto, comum no mundo sindical, terminou em confusão e até a polícia foi chamada. De acordo com informações do site 'Natelinha', todos os contratados do canal cruzaram os braços. Dentre as reivindicações, o fato da 'TV Alterosa' não ter pago o décimo terceiro estava na pauta dos trabalhadores. Por falta de funcionários, até o jornalismo do canal foi afetado. Inicialmente, o telejornal local seria feito com reportagens do interior de Minas e também de São Paulo, mas no fim da manhã, todo o grupo do 'Diários Associados', inclusive, os do interior do estado de Minas Gerais também estão paralisados. 

Ao fazer o protesto, os jornalistas foram surpreendidos por 100 policiais, divididos em onze viaturas em um ônibus.

Publicidade
Publicidade

Os policiais teriam dito aos manifestantes  que quem os chamou foi a direção da empresa afiliada ao canal de Silvio Santos. O gerente de jornalismo da TV Alterosa, Ricardo Carlini, está sendo acusado de assediar moralmente os funcionários em greve, chamando eles, inclusive, de "analfabetos". 

Crise atinge todo grupo de comunicação, que já foi o maior do país

Apesar de ser afiliada do SBT, a 'TV Alterosa' pertence aos Diários Associados. Em conversa com o Natelinha, um jornalista que preferiu não se identificar, explicou que o grupo empresarial de comunicação está falindo. Ele explicou que só no 'Jornal Estado de Minas', o grupo teve um prejuízo de R$ 28 milhões. Já a emissora teria dado um lucro pequeno, apenas R$ 14 milhões. 

A fonte entrevistada pelo portal de notícias reclamou ainda que durante todo o ano o salário de muitos trabalhadores foi atrasado.

Publicidade

Até direitos essenciais dos funcionários chegaram a não ser repassados. Alguns profissionais, segundo o jornalista, não conseguir, sequer, pedir suas férias. Apesar de ter o recolhimento do INSS, o profissional diz que os 'Diários Associados' não estão repassando o dinheiro para o governo.  #Desemprego #Casos de polícia