A luta contra o Aedes Aegypti ainda continua favorável ao mosquito, pois é grande o número de brasileiros contaminados pela dengue e também pelo zika vírus. O Ministério da Saúde até chegou a recomendar o uso de repelente, só que esta não é a melhor alternativa, pois os repelentes que encontramos nas drogarias não oferecem 100% de segurança.

E o problema é justamente este, pois as pessoas estão achando que com o repelente estão livres do Aedes Aegypti e deixam os demais cuidados de lado e com isto a epidemia vem só aumentando.

O repelente deve ser usado com cautela e sempre associado com outras medidas, principalmente as preventivas, que é para evitar o nascimento do mosquito, pois esta ainda é a melhor forma de combatê-lo.

Publicidade
Publicidade

Esper Kallas, professor de imunologia e alergia da USP e também coordenador dos testes que estão sendo realizados com a vacina contra dengue, faz questão de alertar que o repelente industrial é uma ótima forma de combater o mosquito, mas está longe de ser tão eficaz como as pessoas imaginam.

Para o pesquisador, até os repelentes que são conectados à tomada de energia nas residências e empresas também ajudam, assim como as essências de citronela, mas nenhum destes são capazes de manter as pessoas realmente protegidas da picada do mosquito. São medidas que auxiliam, mas não garantem 100% de proteção.

A melhor forma de se proteger da dengue e também do zika vírus é evitando deixar água parada para barrar o ciclo de nascimento do mosquito e também se proteger com telas, cortinas e claro, os repelentes, pois é este conjunto de cuidados que realmente ajudará as pessoas a não contraírem o vírus.

Publicidade

NEM TODOS OS REPELENTES SÃO EFICAZES

Outra questão a ser observada é que não são todos repelentes que conseguem combater o mosquito Aedes Aegypti. É importante sabermos que os repelentes naturais nos protegem por apenas 20 minutos em média e os industriais ficam um pouco mais que isto.

E somente os repelentes à base de icaridina ou picaridina é que realmente manterão o Aedes Aegypti bem longe de nós.

Devemos também observar com atenção na hora da compra se o repelente é adequado para ser usado em grávidas ou crianças.

Como vemos, é preciso levar em conta uma série de fatores antes de optarmos por um repelente, do contrário pensaremos que estamos protegidos quando na verdade não estamos e é aí que muitas pessoas estão sendo picadas pelo temido mosquito.

Você tem tomado todos estes cuidados para se proteger do mosquito? #Dicas #Doença #Zika Vírus