O estado de São Paulo já está em alerta depois que foi registrado o que pode ser o primeiro caso de microcefalia que tem relação com o zika vírus e a transmissão foi mesmo no território paulista.

Uma gestante que não tem histórico de viagem para o Nordeste brasileiro e nem para outras regiões afetadas pela #Doença é que está sendo monitorada para que as autoridades possam descobrir o que realmente tenha acontecido.

Há pouco mais de um mês o bebê nasceu em Guarulhos, região metropolitana da capital e apresentou o perímetro cefálico com somente 28 centímetros. Uma equipe do hospital São Paulo que é vinculado à Unifesp - Universidade Federal de São Paulo, também avaliou a criança e constatou que realmente a microcefalia tem relação com o zika.

Publicidade
Publicidade

Quando a gestante está infectada pelo vírus, além do bebê apresentar o perímetro cefálico reduzido, aparece também várias calcificações e a superfície cerebral fica bem mais lisa. Todas as análises apontam que o quadro desta criança é compatível sim com um dos maiores temores atualmente entre a população brasileira.

A informação até o presente momento é que esta microcefalia tem altíssima probabilidade de estar relacionada ao zika, conforme explicou o médico Marcelo Masruha, da neurologia infantil da universidade e que esteve presente nos exames realizados com o bebê.

A mãe do bebê informou que nos três primeiros meses da gestação sentiu alguns dos sintomas relacionados ao zika, apresentando febre e também manchas por todo o corpo.

De acordo com o último boletim epidemiológico de microcefalia que foi mostrado pelo Ministério da Saúde, não há nenhum caso no estado de São Paulo, o que deixou o médico que examinou a criança espantado, pois para ele o caso já era para estar neste boletim.

Publicidade

O Ministério da Saúde alega que até o dia 28 de novembro, data em que fechou o boletim, nenhum comunicado tinha chegado. A secretaria estadual se justificou informando que não trabalha com casos suspeitos.

Há um outro caso em São Paulo, de um bebê que nasceu com perímetro cefálico medindo apenas 26 centímetros, mostrando que o estado pode estar diante de um surto, assim como em outras regiões do Brasil. #Dengue #sistema de saúde