Quase uma semana depois, o flagrante de uma suposta traição em Belo Horizonte, Minas Gerais, ainda gera muita polêmica. Uma mulher chamada Fabíola teria dito ao marido, Carlos Eduardo, que foi fazer a unha, quando na verdade, decidiu dar um passeio com o também suposto amante, Léo, amigo da família, 'Best friend' de Carlos, e empresário rico e conhecido da região. Uma quarta pessoa, outro amigo do esposo de Fabíola, que é bancária, foi designado a fazer as imagens que ganharam a internet. Nas imagens, o homem que filam e o esposo falam algumas vezes sobre o fato da mulher ter dito que ia na manicure, quando ela acabou parando na entrada de um motel.

Publicidade
Publicidade

"Foi fazer a unha, né?" logo virou um meme da internet e a vida da bancária foi devassada.

Desde o início da semana, fervilharam na web supostos vídeos de sexo de Fabíola da unha. No entanto, segundo a própria Blasting News informou, nenhum realmente seria da profissional das finanças. Mesmo assim, o nome dela e os tais vídeos continuam a ser pesquisados na internet com muita força. Internautas que acreditam na veracidade das cenas procuram ver as imagens sem censura. 

Informações desencontradas

A advogada de Fabíola disse a um programa policial da Record, que sua cliente não quer sair de casa. Nesta sexta-feira, 19, um portal de Minas Gerais já deu outra versão, garantiu que Carlos e a bancária se perdoaram e vão passar o natal juntos, quem sabe comendo um belo Peru em sua ceia.

Publicidade

Já a Veja regional fala que o caso se tornou um grande problema para o Santander, banco em que Fabíola da unha é gerente. De acordo com a reportagem, ela trabalhava em uma agência de uma região nobre, algo que só acontece com os melhores funcionários da entidade.

Em conversa com a Veja, o Santander disse que está fazendo reuniões para tentar esfriar o caso. Isso porque a agência onde Fabíola trabalhava está sendo alvo de trotes. Além disso, o banco pensa em pagar para funcionária um tratamento psicológica. A atitude da empresa foi muito aplaudida nas redes sociais.  #Justiça #Crime