Relações sexuais e traições são muito comuns no cotidiano das vidas de  todos nós seres humanos. Com a invasão e popularização da internet em todo o mundo, surgiram sites pornográficos e meios de compartilhar conteúdo adultos em redes sociais, inclusive através de aplicativos, como o WhatsApp, Viber, Skype e outros. Essa facilitação acabou criando uma rede de boatos no caso Fabíola. A bancária ficou conhecida por ser flagrada traindo seu marido, Carlos Eduardo, com um empresário de Belo Horizonte, Leo, que era melhor amigo do esposo de Fabíola. As agressões sofridas pela mulher, a quebradeira no carro e a pergunta irônica "Foi fazer a unha, né?" viraram quase um mantra.

Publicidade
Publicidade

Assim como tudo o que acontece na internet, vieram os dias seguintes. O flagrante que aconteceu no fim de semana passada ainda rende dias depois. De acordo com a advogada de Fabíola, em entrevista à TV Record, a bancária está com medo e em choque por tudo o que aconteceu. A profissional de #Justiça não disse se ela pretende tomar alguma medida judicial contra os meios de comunicação, pessoas e também com quem filmou e a agrediu. Certo mesmo é que mesmo que ela faça isso, sua vida já foi completamente devassada. 

Logo surgiram vídeos adultos, nos quais Fabíola apareceria fazendo sexo. Tudo mentira. Como já informamos antes, uma fonte de um site voltado para maiores garante que não é a profissional da justiça nas imagens. As imagens são antigas e as mulheres que seriam a bancária não teriam sequer o biotipo dela.

Publicidade

No entanto, segundo essa fonte, existe sim o desejo para que ela seja chamada para fazer um filme para maiores de 18 anos, possibilidade que foi descartada por pessoas próximas à elas. Um amigo disse que a imprensa está inventando histórias para ganhar mais visualizações.

Até o momento, Fabíola decidiu não aparecer, dizer o que aconteceu, se defender. Esse amigo diz que é porque ela entrou em uma espécie de depressão e estaria com vergonha, medo de sair na rua. Esperamos que ela fique bem e que tudo se resolva.  #Crime