Tamborins, repiques e pandeiros terão um som menos alegre neste ano. A principal festa popular brasileira, o Carnaval, tende a ser uma das mais sem graças da história. Nem mesmo gente que vive disso, seja nas agremiações de samba ou vendedores ambulantes parecem animados. A folia vai rolar solta, mas a grana dessa vez vai estar mais curta. A inflação que não para de subir e o desânimo dos brasileiros desestimulam a dizer que 2016 será um ano de sucesso no #Carnaval. Diversas cidades brasileiras simplesmente cancelaram a festa. Mesmo até as que tinham blocos e escolas de samba conhecidas, decidiram segurar o que estava pronto para 2017. Já as festas mais conhecidas, como a do Sambódromo do Rio de Janeiro, prometem ser mais pobrinhas.

Publicidade
Publicidade

E até a TV tenta esconder a celebração, que tem sido um fracasso de audiência. 

Globo quer esconder desfiles, mas pode perder transmissão 

A Rede Globo tentou ainda nesse ano simplesmente começar as transmissões das escolas de samba o mais tarde possível, deixando de exibir as duas primeiras agremiações na telinha. Como mexeria com o desfile de nomes grandes do Carnaval carioca, o assunto acabou criando problemas. No fim das contas, só as agremiações ditas como as "piores" (de acordo com o ranking do último desfile), o que inclui a campeã do grupo A, serão reprisadas em um compacto já no início da manhã de cada dia de desfile. A Liesa, que é a liga que cuida do desfile, já ouve das escolas de samba que querem outra emissora para mostrar o Carnaval.

Blocos e agremiações sem grana

Mas o problema não é só na TV.

Publicidade

Cidades cancelaram a festa da carne e agremiações estão recorrendo à reciclagem para conseguir fazer alguma coisa. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, até mesmo nomes grandes do evento usaram esculturas de anos anteriores. Se a coisa não melhorar, já se pensa em diminuir o número de carros alegóricos e de integrantes nos desfiles. Os foliões, é claro, não gostaram nada da ideia, mas como a crise parece não ter fim, não conseguem achar outra solução. Tempos difíceis.  #É Manchete!