A Caixa Econômica Federal vai patrocinar alguns 10 clubes brasileiros, totalizando um investimento total de R$ 83 milhões. Além de renovar o patrocínio com 8 clubes, a Caixa ainda vai patrocinar mais 2 novos clubes que são os times mineiros Atlético e Cruzeiro.

O Diário Oficial da União desta terça-feira (19) já publicou todos os detalhes sobre os patrocínios e nas redes sociais muitos reclamaram porque enquanto falta investimento em educação, moradia, saúde e segurança, sobra R$ 83 milhões para clubes milionários.

Quem mais vai lucrar com esta ajudinha da Caixa é o Flamengo que irá receber R$ 25 milhões. Logo depois vem os times mineiros, o Atlético e também o Cruzeiro que entraram agora para este "clube do patrocínio", mas já entram recebendo R$ 12,5 milhões cada um.

Publicidade
Publicidade

O investimento da Caixa Econômica nos clubes de #Futebol tem total apoio da presidente Dilma Rousseff que durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, nesta terça-feira (19) disse que este apoio ao patrocínio da CEF vai além dos contratos e que esta é uma parceria comercial que trará resultados positivos.

E durante a cerimônia realizada para assinatura do patrocínio milionário, Dilma fez questão de destacar a criação da "Autoridade de Governança do Futebol", que traz várias medidas que irão ajudar a estimular o esporte no Brasil.

Em 2015 a Caixa Econômica Federal patrocinou o Vasco com o valor de R$ 15 milhões, mas não resolveu nada a fortuna entregue ao time que acabou caindo para a Série B.

No dia 28 de fevereiro estará encerrando um contrato da CEF com o Corinthians que é de R$ 30 milhões.

Publicidade

Dilma ficou feliz que Atlético e Cruzeiro estejam entre os clubes patrocinados pelo banco estatal e brincou dizendo que fica feliz de modo especial pelo seu querido Atlético Mineiro, que é o time para o qual ela torce.

Quando a cerimônia chegou ao fim, a presidente #Dilma Rousseff foi presenteada com camisetas dos times patrocinados e nas costas de cada uma das camisetas estava escrito "Presidente Dilma".

No Twitter, foram muitos os protestos.

#Crise econômica