A Aeronáutica do Brasil concluiu o processo de investigação da morte de Eduardo Campos, ex-governador do estado de Pernambuco. Segundo o relatório não houve qualquer falha mecânica, e sim a pouca habilidade dos pilotos que não foram capaz de seguir todos procedimentos necessários para aquele modelo de aeronave nas condições climáticas que estava no local.

O acidente com o ex-governador aconteceu no dia 13 de agosto de 2014, exatamente à 10h03, na cidade de Santos, no litoral paulista, o avião era da marca Cessna Citation com modelo numerado 560XLS, e com prefixo adotado de PR-AFA, e após os erros do piloto veio a cair em um bairro residencial, vale lembrar que no acidente também foram a óbito outras 6 pessoas.

Publicidade
Publicidade

O então candidato à Presidência da República, Eduardo Campos estava com 49 anos na época e concorria pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), a então candidata a vice-presidente de sua chapa, a ex-senadora Marina Silva deu sequência ao trabalho político e assumiu a candidatura e levou até o final, onde chegou no fim do pleito na terceira colocação, com 22.176.619 votos.

De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), os pilotos não tinham conhecimentos avançados da aeronave a qual pilotava e não tinha uma área para um possível pouso, onde também pesaram alguns erros e julgamentos que os pilotos fizeram quando estavam sob estresse, o que levou os pilotos a perderem a capacidade de controlar a Cessna 560XLS momentos depois de arremeterem o pouso.

O tenente-coronel Raul de Souza, conduziu as investigações, alegou que os pilotos que comandavam a aeronave não seguiram ou simplesmente ignoraram todas as recomendações da fabricante da aeronave e também da pista de pouso.

Publicidade

O tenente-coronel afirmou que se os pilotos fossem bem treinados, habilitados para aquele tipo de aeronave, não estivessem cansados e com baixo nível de estresse, poderia com grande certeza ao menos reduzir toda a possibilidade de que o avião viesse a cair, e em seguida comentou que mesmo com todas as capacitações e situações supracitadas os pilotos também poderiam ter desorientação espacial. #Investigação Criminal