O #Crime aconteceu na última terça-feira, 12 dentro da casa da idosa na região metropolitana da cidade. Corina Pedroso Dias chegou a pedir ajuda da polícia, mas com pena do filho, não quis prestar queixa, ocasião em que ele voltou para casa e terminou o crime que já havia premeditado.

Corina ligou para a Brigada Militar e pediu ajuda, pois seu filho estava alterado e a ameaçando. A polícia chegou e Luiz Ademir Pedroso Dias, filho da vítima, bateu boca com os agentes. Assustada e ao mesmo tempo deixando seu amor de mãe falar mais alto, Corina não quis ir até a delegacia prestar queixa pela ameaça, mas Luiz foi levado pelos policiais devido ter praticado desacato contra os mesmos.

Publicidade
Publicidade

Ao ser liberado da delegacia, Luiz retornou à casa da mãe, pegou uma escada e começou a bater com força em sua cabeça, levando a indefesa idosa a óbito. Após matar a própria mãe, a polícia retornou e prendeu Luiz em flagrante. A idosa morreu antes da polícia chegar.

A Brigada Militar comunicou que o assassino já possui passagem pela polícia por lesão corporal, desacato e ameaça. Não foi informado se haviam outros parentes que viviam na casa com a idosa ou se ela vivia sozinha.

Outro crime contra uma idosa

Em Goiás uma senhora de 83 anos foi brutalmente violentada, torturada e espancada até a morte dentro da própria casa. O corpo da senhora foi encontrado por seu neto na manhã seguinte ao crime.

A casa humilde e sem nenhum luxo, estava revirada e pertences foram levados pelos meliantes.

Publicidade

Os criminosos fugiram sem deixar rastro e a polícia vai utilizar o DNA deixado no corpo da vítima para comparar com o DNA de alguns criminosos procurados na região.

Ainda não se sabe se a idosa foi abordada na rua, se invadiram a sua casa ou se bateram na sua porta e a renderam em seguida. A mulher deixa filhos e netos, além de todos os familiares e vizinhos indignados com caso, tanto pela violência contra uma pessoa indefesa que não fazia mal para ninguém, quanto pelo medo dos criminosos continuarem agindo na região. #Violência #Casos de polícia