Maria Pedroso da Silva. Esse é o nome de uma idosa de oitenta e três anos que vivia na cidade de Anápolis, em Goiás, com todas as limitações físicas comuns de uma pessoa dessa idade. Mesmo sendo nitidamente indefesa, a senhora foi violentamente espancada até a morte.

O primeiro a encontrar o corpo da mulher foi seu neto, ainda criança, que viu o corpo da avó em um colchão, sem roupa e sem batimentos cardíacos. Não adiantava mais auxílio médico: a vítima tinha vindo a óbito.

Exames feitos no Instituto Médico Legal constataram que a idosa veio a óbito após levar uma forte pancada na cabeça, mas que antes disso foi estuprada e torturada pelo criminoso, que levou vários pertences da casa da vítima.

Publicidade
Publicidade

A casa estava toda revirada.

A polícia utiliza amostras colhidas das agressões e #Violência sexual para comparar com o DNA de alguns suspeitos perigosos da região que estão foragidos. Não foram encontrados vestígios do criminoso, mas acredita-se que o mesmo era conhecido da vítima ou fingiu ser algum prestador de serviço para que o portão fosse aberto, pois não há sinais de arrombamento, dando a entender que a própria vítima pode ter aberto a porta para o meliante ou pelo menos, que este tinha uma cópia das chaves.

O perito que cuida do caso, afirmou que a vítima foi violentada e espancada continuamente até que não aguentasse mais. A família está devastada com o #Crime e pede justiça, cobrando empenho da polícia local para que o criminoso seja preso. Os vizinhos também estão chocados, tanto pelo medo do criminoso continuar agindo na região, quanto pelo fato de ter ceifado a vida de uma vizinha indefesa e cheia de limitações em virtude da idade.

Publicidade

A polícia trabalha com quatro hipóteses:

1ª A vítima foi abordada na rua e obrigada a abrir a porta para o criminoso;

2ª A vítima estava em casa, mas com a porta aberta;

3ª A vítima foi atender a porta após ser chamada, por um conhecido ou desconhecido, momento em que foi abordada;

4º O meliante já detinha poder das chaves ou tinha técnicas para abrir uma porta sem chave e sem necessidade de arrombamento.

As investigações prosseguem e a polícia busca colocar o criminoso o mais rápido possível na cadeia. O caso ganhou repercussão nacional em telejornais diversos.

A vítima deixa filhos e netos. Somente após a prisão do ou dos criminosos (a polícia não descarta a participação de vários meliantes) é que poderá ser possível compreender ou pelo menos tentar saber o que levou os assassinos à cometerem tamanha covardia com uma mulher idosa que não representaria nenhum perigo ou resistência à um assalto.

Deixe sua opinião sobre esse caso de violência brutal contra essa senhora. #Casos de polícia