"Vou rasgar meu diploma", disse um jornalista em um grupo da área no Facebook ao compartilhar uma notícia da própria Folha de São Paulo. O que motivou tamanha revolta dele e de milhares de outras pessoas nas redes sociais foi o anúncio nesta segunda-feira, 18, da contratação de Kim Kataguiri como o novo colunista da publicação. Coordenador do Movimento Brasil Livre, MBL, Kim é conhecido por fazer comentários ácidos contra a presidente da república Dilma Rousseff. O jovem consegue muitas visualizações ao tecer teses que fazem muito gente concordar plenamente com ele, ou então fazer duras críticas.

Na internet, muitas pessoas chegaram a fazer ameaças à Folha de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

"Se esse jornal aparecer pegando fogo não estranhem", publicou um perfil fake no Twitter. Kataguiri começará a trabalhar já nesta quarta-feira, 19. Além de ser pró-direita, o novo colunista não tem qualquer outra formação. Aos 19 anos, ele só se formou no ensino médio e sequer começou o ensino superior. Tal informação gerou muito descontentamento de muitos jornalistas. Conversamos com alguns que preferiram não citar seu nome por conta de represália no trabalho. "O problema não é só a opinião dele, que é pouco consistente, mas o fato dele não ter qualquer tipo de trabalho significativo para ganhar status de colunista", disse um profissional da mídia. 

"É um absurdo, um cara totalmente desprovido de caráter agora vai emitir opiniões para o grande público. uma pena a 'Folha de São Paulo' dar credibilidade e voz.

Publicidade

Em troca de que? de leitores? perdeu um", disse mais um colega de profissão que se mostrou revoltado com a notícia. 

O jornal ao anunciar a contratação fez uma matéria dizendo que já no dia 13 acontecerá mais um ato pedindo o #Impeachment de Dilma. Alguns partidários do Partido dos Trabalhadores, o PT, estão acusando a Folha de "golpismo". No portal 247, conhecido por ser pró-esquerda, a notícia sobre o novo colunista da Folha é a mais lida do momento. A maioria dos comentários são contrários ao jornal paulista.  #Crime #Reforma política