A lama que se originou da ruptura da barragem em Mariana (distrito de Bento Gonçalves), no interior de Minas Gerais, em 5 de novembro do ano passado, e que ocasionou uma enorme tragédia ambiental, já considerada pelos especialistas como a maior da história do Brasil, pode ter chegado até o mar da região sul da Bahia.

A grande mancha de lama foi vista e divulgada para a imprensa nacional nesta sexta-feira, dia 08 de janeiro, por meio de fotos tiradas em sobrevoos realizados por profissionais do IBAMA, em parceria com membros do Instituto Chico Mendes (entidade que luta pela preservação da biodiversidade no país).

Segundo estes profissionais do meio ambiente, o “mar de lama”, que estava se espalhando por todo o litoral sul do Espirito Santo (destruindo inúmeros rios, como o Rio Doce), mudou sua rota devido a uma forte corrente de ventos que chegou a região e agora parte para o nordeste, chegando já a região sul baiana, mais especificamente no Parque Nacional Marinho em Abrolhos, arquipélago turístico que pertence a Bahia.

Publicidade
Publicidade

Ainda segundo os técnicos do IBAMA e do Instituto Chico Mendes, a Samarco, empreiteira responsável pela barragem de Mariana (Barragem de Fundão), que se rompeu em novembro, foi notificada ontem mesmo sobre a chegada da lama à Bahia e foi cobrado o início imediato de uma coleta de amostras no local para se ter a certeza sobre a origem dos resíduos.

Preocupação

De acordo com meteorologistas, os ventos que podem ter levado a “lama de Mariana” para Abrolhos, na Bahia, devem aumentar nos próximos dias, inclusive, se transformando em um ciclone intertropical. Isso aumenta, ainda mais, os ricos da lama ser impulsionada para uma região ainda mais acima do arquipélago baiano, o que já preocupa os ambientalistas.

Para a ambientalista Melissa Andrade, é inadmissível que o governo ainda não tenha tomado providências rápidas e contundentes para controlar o avanço da lama.

Publicidade

“Trata-se da maior tragédia ambiental do Brasil, e o #Governo parece estar se lixando para isso. As ações que estão sendo tomadas são muito pobres para a gravidade do problema. Enquanto os governantes se preocupam em salvar suas peles das investigações de corrupção, rios estão sendo destruídos pela lama, centenas de animais estão sendo mortos, a rica biodiversidade marítima do país está sendo exterminada, e o que ouvimos sempre é que ‘o governo está cuidando do caso’. A chegada da lama em Abrolhos é inadmissível”, critica Melissa.

“É preciso punir mais severamente a Samarco, e não apenas isso, exigir de maneira mais contundente uma ação da empresa para solucionar o grave problema que ela criou. Além disso, o governo tem sim recursos para investir na resolução dessa tragédia ambiental e deve fazer isso logo. Famílias ribeirinhas estão sem ter o que comer porque estão vendo seus rios morrendo. Vão esperar a lama chegar até aonde? Em Brasília? Lá já tem lama demais”, conclui a ambientalista.

Publicidade

Segundo a presidente do IBAMA, Marilene Ramos, em entrevista dada ao jornal O Estado de São Paulo, os testes para confirmação da origem dos resíduos que chegaram a Abrolhos devem apresentar um resultado final somente dentro de dez dias. No entanto, de acordo com os profissionais que realizam os testes, é praticamente certo que o material seja mesmo oriundo da lama de Mariana. #Natureza #Crime