A Saga dos boletos falsos do IPVA 2016 já invadiu São Paulo e outros estados brasileiros, deixando os proprietários de veículos apreensivos quanto a autenticidade ou não das cobranças. O Seguro DPVAT, que é obrigatório e acompanha o IPVA, é também causa para algumas dúvidas dos contribuintes.

A primeira questão a ser respondida é se os órgãos responsáveis enviam cobranças pelo correio. Depende do Estado que você se encontra. Na dúvida, consulte o site da Secretária da Fazenda e/ou do DETRAN.

Em Santa Catarina, Mato Grosso, Ceará, Amazonas, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima e Tocantins, segundo o site de notícias do G1, não há envios de cobrança por correios.

Publicidade
Publicidade

Em São Paulo, há apenas aviso de vencimento do IPVA.

O IPVA 2016 é pago conforme o calendário específico de cada Estado, geralmente, levando em consideração o final da placa do veículo. Cabe a cada proprietário procurar saber qual o mês é o vencimento de seu imposto, podendo, inclusive, ser no próprio mês de janeiro.

Onde consultar o Seguro DPVAT 2016?

Esse é mais simples, no site oficial do seguro DPVAT, de uma forma didática e bem clara, as instruções são dadas em três passos. No terceiro passo, o mais importante, é especificado como efetuar o pagamento em cada Estado. 

Muita gente se pergunta: Para aonde vai todo esse dinheiro do Seguro DPVAT? 50% vai direto para o Governo Federal, e a outra metade fica para cobrir as indenizações que ocorrem nos acidentes envolvendo veículos e na administração destes recursos.

Publicidade

É isso mesmo, além de ter que manter seu veículo, você ainda custeia todo o resto para poder utilizá-lo. Se você estiver com pouco tempo, há ainda uma solução com os serviços de despachantes, que simplificam e agilizam estas burocracias.

Quando contratar o serviço de despachante para estes impostos?

O quanto antes você perceba que poderá perder os prazos para pagamentos. Muitas vezes, é necessário fazer as contas de quanto vale sua hora, para dispensá-la com tarefas que podem ser terceirizadas. #Dicas #Crise #Crise no Brasil