Um novo deslocamento de terra foi registrado por funcionários da Samarco em Mariana-MG, nesta quarta-feira (27), e a Defesa Civil foi acionada para fazer o esvaziamento da área em torno da Barragem do Fundão, conforme protocolo de segurança.

A população que vive abaixo da Barragem ficou aflita, temendo um novo desastre, como ocorrido há três meses, em Mariana.

O Tenente do Corpo de Bombeiros, Leonard Farah, disse que a corporação não foi avisada sobre este novo deslizamento e que quando souberam, ligaram para a Samarco para saber a grandeza do deslocamento.

No momento em que houve o deslocamento de terra, havia no local cerca de 150 funcionários, que foram retirados imediatamente.

Publicidade
Publicidade

Esta é a segunda vez que há um deslizamento de terra em Mariana, que teve, na primeira vez, um que foi considerado o maior desastre ambiental do Brasil.

A Samarco tenta minimizar o ocorrido, ela emitiu nota dizendo que a água que vazou é pouca, e que não irá seguir o curso dos rios, porém, o ocorrido foi devido às chuvas dos últimos dias, que aumentou o volume da barragem.

Welbert Stopa, chefe da Defesa Civil, disse que foi adotado o alerta amarelo, com o esvaziamento do local. Não houve feridos e todos os funcionários estão em segurança.

Há três meses, um deslocamento de terra, semelhante à desta quarta-feira (27), ocorreu em Mariana, arrasando Bairros e tirando a vida de 17 pessoas e o desaparecimento de outras duas.

Os rios que abastecem dezenas de cidades foram afetados, principalmente o Rio Doce, causando problemas de abastecimento de água potável, para milhares de pessoas.

Publicidade

O prejuízo ambiental, devido aos detritos acumulados na barragem, foi enorme e segundo especialistas, serão necessários vários anos para que a #Natureza volte ao normal.

Esse novo deslocamento da Barragem do Fundão, mesmo que, de pequena proporção, aciona o alerta de uma nova ameaça ambiental. As consequências de uma exploração sem precedentes apontam que nem sempre é vantajoso explorar a natureza de forma radical, já que ela reage da mesma forma quando ameaçada.

A mineradora Samarco deverá sofrer as consequências de uma política de exploração, que ataca diretamente ao meio ambiente - e a resposta da natureza prejudica milhares de pessoas que não tem nada a  ver com esse ataque desenfreado. #entrevista