Dois casos de zika vírus foram confirmados nesta quinta-feira (14) pela Secretaria de Saúde de Minas Gerais. Em Ubá, a #Doença foi diagnosticada em uma gestante; já em Curvelo, um recém-nascido nasceu com microcefalia, devido ao #Zika Vírus.

No estado de MG, até a data de ontem (14), não havia casos confirmados da nova doença que assola o país. Segundo a Secretária de Saúde de MG, o zika vírus pode se espalhar rapidamente no estado, já que a doença é transmitida pelo mesmo mosquito que transmite a #Dengue e a chikungunya, o Aedes Aegypti.

A única maneira de combater o vetor que transmite a doença é eliminando os focos de criação do mosquito com precauções como: não deixar água acumulada em recipientes, pneus, vasos de flores, calhas, piscinas etc.

Publicidade
Publicidade

Usar camisas de manga compridas e calças para evitar a picada do mosquito.

O zika vírus é uma doença nova no Brasil, que já deixou um rastro de destruição, principalmente no nordeste brasileiro. Milhares de casos já foram confirmados e outros estão sendo diagnosticados.

Os principais sintomas da doença são manchas vermelhas, eczemas, olhos vermelhos, dores musculares e conjuntivite. A doença não é tão forte como a dengue, porém nas gestantes pode causar sequelas neurológicas importantes na formação do bebê, como a microcefalia. Caso uma gestante apresente sinais da doença, deve procurar imediatamente auxilio médico.

A dica da Secretária Estadual de Saúde de Minas Gerais é que as mulheres evitem ficar grávidas, principalmente se houver uma epidemia da doença no estado, já que a decisão de engravidar é pessoal.

Publicidade

Arthur Chioro, ministro da saúde, informou ao governo brasileiro, em 2015, sobre a possibilidade de entrada do vírus no país em razão do grande número de turistas estrangeiros que passaram pelo Brasil durante a Copa do Mundo, em 2014.

 Até o momento, 55 notificações da doença no protocolo de microcefalia foram registrados em Minas Gerais. Há outros dezessete casos sendo investigados pela secretaria. Rodrigo Said, superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rodrigo Said, enfatizou a importância de envolver a população no combate ao Aedes aegypit.