Em todo começo de ano alguns programas sociais do Governo Federal mudam as regras. Com o seguro #Desemprego não foi diferente. Muitas mudanças foram cogitadas e especuladas tendo em vista a crise e os novos rumos da economia e a da política. As alterações ocorreram porém não foram tão significativas. Confira abaixo o que mudou nas normas desse benefício social.

Novas diretrizes do seguro desemprego

Antes de explicar o que mudou no seguro desemprego 2016, vamos primeiro entender como funcionava o beneficio.

O benefício para os desempregados é um valor que mensal, que todo trabalhador tem direito após ficar desempregado, para poder se manter, até conseguir um novo #Trabalho.

Publicidade
Publicidade

Como o próprio nome já diz, é um seguro para que a pessoa consiga sobreviver sem a renda do antigo emprego. 

Tempo de serviço também mudou

O seguro desemprego cobre até 6 meses e o teto salarial vai depender da profissão do requerente. 

De acordo com as novas regras vigentes, a legislação estabelece que para o trabalhador ter acesso ao benefício pela primeira vez, ele deve comprovar que está trabalhando com carteira assinada por no mínimo 18 meses. A regra anterior determinava que o trabalhador tinha que trabalhar por pelo menos 6 meses. Ou seja, o trabalhador deve ficar um ano e meio na mesma empresa, para ter direito ao benefício.

Já para quem vai usar o benefício pela segunda vez, é necessário comprovar que trabalhou pelo menos 12 meses. Para o terceiro pedido e nos outros posteriores é necessário comprovar que trabalhou no mínimo nove meses.

Publicidade

Propostas de emprego durante seguro

Outra mudança anunciada pelo Governo Federal é que se o trabalhador tiver uma oferta de trabalho enquanto recebe o seguro desemprego, ele é obrigado a aceitá-la, sob pena de perder o benefício e ficar sem emprego e sem renda, isso evita com que os trabalhadores não trabalhem e fiquem recebendo auxílio sem necessidade.

Se tiver mais alguma dúvida sobre as novas regulamentações do seguro, deixa-as aqui, que teremos prazer em respondê-las. #Crise econômica