Dr. Dráuzio Varella, um dos médicos mais populares do país, frequentemente entrevistado em programas televisivos, é enfático e polêmico quando o assunto é aborto: 'o aborto no Brasil é livre, proibição só serve para punir quem não tem dinheiro' e garante 'todo o resto é falsidade', 'todo o resto é hipocrisia'.

Recentemente, um grupo de ativistas declarou que irá ingressar com uma ação no STF solicitando autorização para o aborto em casos comprovados de microcefalia, desde então o polêmico tema voltou a ser debatido.

O médico é autor do best sellers 'Estação Carandiru', também gerencia um portal na internet onde da explicação e conselhos a respeito de diversas doenças.

Publicidade
Publicidade

O jornal 'Folha de S. Paulo' conseguiu entrevista telefônica com o médico, veja os posicionamentos de Varella a respeito do aborto:

O médico iniciou a entrevista afirmando que ela deveria ser pautada no aumento dos casos de Zika (vírus causador da microcefalia) e pediu que não fosse questionado sobre a vertente religiosa ou a posição da Igreja e de denominações evangélicas sobre o aborto.

Com relação a isso, limitou-se a dizer que ninguém pode se considerar 'dono da Palavra de Deus' e que se 'os religiosos são contra, que não façam, mas não imponham suas vontades aos outros'.

Declarações do Dr. Dráuzio a respeito do aborto e por que o considera 'livre no Brasil e punição ao pobre':

- As mulheres ricas fazem normalmente e nunca aconteceu nada nesse sentido. Já viu alguma delas ser presa por isso? A pobre é que interfere nas estatísticas, por que ela morre.

Publicidade

- Proibir é punir quem não tem dinheiro. Uma eventual autorização iria estimular que mulheres buscassem o auxílio médico acessível.

O médico ao final de sua entrevista garante não ser defensor do aborto 'não sou defensor e ninguém é'. E levanta os questionamentos 'que mulher que engravida pensando em abortar?' essa será certamente uma experiência traumática, mas esse não é o único ponto.

As questões sobre o aborto deverão ser ampliadas especialmente por conta do aumento dos números de casos de microcefalia. #Governo #Crime