O Tityus Serrulatus, popular escorpião amarelo, originário do Brasil, tem registrado considerável aumento de incidência em várias capitais e cidades do interior do país, inclusive na capital São Paulo (SP). Técnicos especializados no controle desta praga dizem que a espécie brasileira é uma das mais perigosas. Sua picada dói muito e pode levar à morte, principalmente em crianças menores de 10 anos e idosos.

O espécime brasileiro, o terceiro mais venenoso no mundo, já é motivo de preocupação em várias cidades, perdendo somente para o mosquito Aedes Aegypti (Dengue e Zika Vírus). A ocorrência do artrópode já atinge até condomínios de luxo na capital São Paulo, onde a prefeitura informou que chega a atender até 800 casos de ocorrência de infestação do animal por ano. 

Aumento da população, motivo de alerta

Devido a seu alto poder de reprodução, em algumas cidades brasileiras, a sua população poderá quase dobrar em apenas 2 anos, diz um especialista em entrevista a Revista Exame.

Publicidade
Publicidade

Randy Baldresca, biólogo e pesquisador, especialista no aracnídeo, alerta que a população do "amarelo" poderá aumentar consideravelmente, em cerca de até 70% em apenas dois anos, se persistir a falta de um controle específico, bem como as condições favoráveis à sua reprodução. “A situação vai se agravar se o acúmulo de lixo permanecer nas ruas, a população continuar mal informada [...]", alerta o biólogo.

Baratas e escorpiões

O aumento nos índices de sua incidência esta ligado, não só a sua alta capacidade de reprodução e resistência, mas também ao aumento de ambientes favoráveis a sua proliferação, como acúmulo de entulho e lixo nas ruas, lixões próximos a áreas urbanas, terrenos e prédios abandonado. A isto se junta a falta de iniciativa, por parte de órgãos competentes, de programas de controle de pragas.

Publicidade

A falta de um programa específico de combate do Tityus Serrulatus, e também a outras espécies que estão na lista de sua cadeia alimentar, a exemplo das baratas, uma das primeiras da lista, também tem contribuído para atrair o animal para os centros urbanos.

O que fazer quando encontrar um escorpião

É preciso muito cuidado ao se deparar com um escorpião de qualquer espécie. Não é recomendável "pisar" no bicho para matá-lo. Além de se tratar de um animal muito ágil, de peculiar mobilidade, o seu esqueleto externo (exoesqueleto) é uma estrutura dura, difícil de ser esmagada, além do que deixará o bicho mais agressivo, podendo "revidar" rapidamente. Vale lembrar que as duas presas dianteiras do aracnídeo não são o perigo, e sim a sua cauda onde está localizado o ferrão, usado com grande agilidade.

Tentar contê-lo com um rodo, por exemplo e esmagá-lo com um objeto resistente seria o mais seguro, evitando sempre tocar no bicho. Vale lembrar que uma borrifada de inseticida não vai matá-lo; antes deixá-lo mais agressivo do que vulnerável.

Publicidade

Contate um especialista.

No caso de descobrir um foco de escorpiões, ou de sua constante manifestação, a recomendação é contactar uma empresa especializada no combate à pragas, além de contactar o órgão de saúde competente de sua cidade e comunicar o fato, lembrando que este animal é imune a maioria dos inseticidas comuns, disponíveis no mercado.

Algumas lendas populares fazem referências erradas a este perigoso vilão brasileiro. Clicando aqui você pode ter mais informações sobre os hábitos e características do escorpião amarelo. Visite também o site da APRAG, (Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas). #Animais #Violência