O músico e compositor Tico Santa Cruz está sendo vítima de ameaças de morte. Ele usou uma rede social nesta sexta-feira, 26, para dar os primeiros detalhes sobre a ofensiva, que acontece por telefone. Conhecido por apoiar o governo da presidente Dilma Rousseff, Tico disse que as ameaças são constantes e que recentemente elas ficaram ainda mais intensas. Atualmente, os telefonemas também mandariam mensagens contra seus filhos. 

Tico pediu a ajuda do Secretário de Segurança do estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. O músico disse que o secretario o orientou na hora prestar as denúncias e na polícia. No vídeo, ele garante que além da polícia também procurará orientações jurídicas.

Publicidade
Publicidade

Santa Cruz é um crítico ferrenho dos movimentos pelo impeachment da presidente. Por seu apoio, #Dilma Rousseff o encontrou no ano passado. A conversa entre os dois repercutiu bastante nas redes sociais. 

O cantor disse em uma resposta a um seguidor que também já abriu um inquérito contra vinte e seis perfis, que fariam ameaças contra ele por conta de sua opinião. Ele ainda agradeceu a todos que foram solidários com ele. O vídeo já tem mais de 360 mil visualizações no Facebook. Em tempo, Tico não disse até o momento se existe um motivo par as ameaças. 

"Eu sei que vocês fazem várias piadas na internet por conta de questões políticas, mas quando mexem com a família da gente, precisamos ter muita cautela", começou Tico a explicar o que ocorreu com ele e os motivos que o levaram a procurar a atenção da polícia do Rio de Janeiro.

Publicidade

"Talvez mandem eu procurar o Batman, mas eu sei que ele não resolverá meu problema, quem resolverá é a D.R.A.C.O (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas)", diz ele no vídeo. 

Veja o vídeo onde o cantor explica o que ocorreu com ele:

O assessor do cantor confirmou neste sábado, 27, ao site EGO, que realmente as ameaças aconteceram e que os criminosos já haviam ligado para o intérprete do grupo 'Detonautas' e também para a sua esposa. Além da secretaria de segurança pública, a de Direitos Humanos também deu orientações no caso. #PT #Crime