Um rompimento de barragem de uma mineradora de areia em Jacareí, interior de São Paulo, afetou o abastecimento de água na cidade vizinha de São José dos Campos.

Na manhã de sábado (6), técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo foram avisados do acidente e se deslocaram até o local para averiguar o cenário e efetuar as primeiras ações de recuperação do talude (parede) rompido e avaliar as condições da água no rio Paraíba do Sul.

Em menor escala e com impacto inicial de potencial não catastrófico como o desastre de Mariana (MG), o rompimento da barragem na cidade paulista foi causado pelo lançamento de rejeitos da extração de areia uma área sem licença ambiental e que não estava autorizada ainda para ser utilizada, segundo posicionamento preliminar da CETESB.

Publicidade
Publicidade

Para agravar o quadro, a empresa que lançou os rejeitos não é a proprietária da área e estava fazendo isto sem o conhecimento dos órgãos ambientais. Os técnicos da CETESB constataram que a empresa fez uma ligação entre a sua área e área sem licença, sendo que o despejo pode ter saturado e ocasionado o rompimento da barragem.

FORNECIMENTO DE ÁGUA CORTADO

Cerca de 500 mil pessoas ficaram sem abastecimento de água em São José dos Campos. O corte gerou um corre corre pela cidade em busca de locais com água potável, obrigando os moradores a estocarem água em galões, baldes e garrafas. Os parques públicos que possuam torneiras foram os locais mais procurados e também os estabelecimentos de venda de galões d'água viram seus estoques se esgotarem além da previsão normal.

A Companhia de Abastecimento de São Paulo (SABESP) informou que o corte do fornecimento de água foi realizado para garantir que a população não consumisse o líquido até que uma análise química fosse realizada, para determinar qual o grau de poluição lançada pelo rompimento da barragem.

Publicidade

Inicialmente, a empresa divulgou que era possível o corte de fornecimento atingir as cidades vizinhas que retiram água do rio como Caçapava e Taubaté.

Mas no final da tarde de ontem, 06, a SABESP emitiu nota dizendo que a captação foi restabelecida em São José dos Campos e que a interrupção do serviço em Caçapava, Taubaté e Pindamonhangaba que foi inicialmente considerado não será efetivado, pois os rejeitos lançados no Paraíba do Sul não oferecem riscos aos moradores destas cidades.

A CETESB informou que no meio da tarde já havia realizado uma nova contenção da barragem e cessando o despejo no rio. Afirmou também que o acidente e o despejo irregular na área não licenciada deve acarretar ações de penalização e multas para a empresa responsável por lançar os rejeitos de mineração.

A prefeitura de Jacareí disse que multou a empresa e que ela já foi autuada outras vezes por não cumprir a legislação municipal.

LEMBRANÇA

Este acidente fez a população relembrar o que aconteceu em Mariana (MG) há três meses passados, onde 13 pessoas morreram e um distrito inteiro foi atingido pela lama.

Publicidade

Os resíduos atravessaram três estados e alcançaram o mar, no estado do Espírito Santo. #Natureza