Continuam péssimos os prognósticos dos economistas e especialistas em mercado de trabalho no Brasil com relação à crise econômica, que começou a se instalar no país a partir do final de 2014 e segue fazendo estragos em 2016. Segundo os especialistas, cerca de 2,2 milhões de vagas formais de emprego (com carteira assinada/CLT) devem ser perdidas em todo o território brasileiro nos próximos meses deste ano.

Ainda de acordo com os especialistas, a situação do emprego no Brasil somente deve começar a melhorar a partir do ano de 2018. Em meados do ano passado, os prognósticos dos economistas apontavam para o início de 2017 o começo da reação econômica do país.

Publicidade
Publicidade

No entanto, os prognósticos pioraram após uma série de fatos que se sucederam, como o risco de impeachment da presidenta da República, Dilma Rousseff (PT), e o rebaixamento da nota dada ao Brasil pelas agências de classificação de risco, como a Fitch e a Moody’s, o que deve conter os investimentos empresariais por mais um tempo no país.

Esta contenção de gastos dos empresários tende a se refletir no mercado de #Trabalho brasileiro, o que pode explicar a projeção pessimista dos especialistas para as vagas formais em 2016. #Crise no Brasil #Recessão no Brasil