A maior festa popular brasileira, o '#Carnaval', é aquele momento para milhares de pessoas aguçarem a criatividade. Algumas fantasias, no entanto, espantam pelo seu tema. Nesta segunda-feira, 08, uma imagem postada no Facebook criou grande revolta na rede social e foi acusada de racista. Nela, um casal branco carrega o filho adotado nas costas. Nada muito anormal, não é verdade? A não ser por um detalhe, a criança estava fantasiada de macaco. A família de Belo Horizonte, Minas Gerais, decidiu homenagear o desenho da Disney Aladdin. Fernando Bustamante, pai adotivo do menino, travestiu-se do personagem, enquanto sua esposa foi a Jasmine e o filho deles Abu, o melhor amigo do casal no enredo infantil.

Publicidade
Publicidade

Abu é um macaco que faz muitas travessuras na animação. 

"Estou chocado. Acho que ou eles são racistas demais ou muito inocentes, será que em nenhum momento eles perceberam que isso poderia dar problema? Agora quem sofre é a criança, que vê sua imagem exposta na internet", disse uma internauta. A Blasting News editou a imagem desta reportagem para preservar o rosto do menor. A escolha do figurino da criança também mobilizou grupos anti-racistas no Facebook, que fizeram de tudo para encontrar quem seriam os pais do garoto vestido de Abu.

Fernando Bustamante, mais tarde, confirmou que o garoto da foto era realmente seu filho e que era adotado. Ele revelou que ficou muito desapontado por ter sido chamado de racista. Fernando contou que é artista de teatro e que luta pela diversidade e igualdade entre as pessoas.

Publicidade

Além de lutar, o profissional das artes disse que aplica isso em seu dia a dia. Bustamante contou anda que pretende adora um novo irmãozinho para o garoto da foto. 

Apesar de mostrar-se desapontado, Fernando pediu desculpas a todas as pessoas que acharam que a fantasia de sua família era racista. O pai da criança mostrou ainda que a família costuma se vestir de diversos outros personagens no Carnaval, como o 'Pequeno Príncipe'. Sem preconceitos e com muito, mas muito amor. Viva a diversidade!”, finalizou ele.  #Justiça #Crime